Meditação diária de 30/08/2020 por Flávio Reti – Polaroide
30/08/2020
Meditação diária de 01/09/2020 por Flávio Reti – Pólvora
01/09/2020

Meditação diária de 31/08/2020 por Flávio Reti – Polias

31 de agosto  

Jó 42:2  “Bem sei eu que tudo podes e que nenhum dos seus propósitos pode ser impedido”

Polias

A polia recebe vários nomes em Português, tais como polia, roldana, talha e desempenha diversos trabalhos. É uma peça de metal, mecânica, associada a várias máquinas e sempre cede trabalho, energia cinética, girando lenta ou velozmente. Ela pode ser lisa ou com um sulco, pode ser de metal ou de madeira, ou até de plástico rígido e sempre acionada por uma corda, uma correia e às vezes por uma corrente. Dependendo de com quantas polias mais ela está associada, ela vai dividindo o peso da massa até uma criança poder levantar o peso de uma tonelada. Levantar ou baixar o peso, não importa a direção, importa o trabalho que uma polia realiza. Com apenas duas polias o peso da massa se reduz à metade. Pode-se associar três, quatro ou mais polias para se obter situações adequadas a algum caso específico. Se a polia tiver um diâmetro pequeno ou grande, menor ou maior, isso afetará o torque mas não a força envolvida. As polias funcionam de váriadas maneiras: fixas, móveis, cadernal (conjunto de várias polias móveis e o mesmo número de polias fixas) e a talha que são várias polias móveis no mesmo eixo e uma polia fixa. O uso de polias ou associação de polias é atribuída a Arquimedes que viveu de 287 a 212 antes de Cristo. Na história encontramos que Arquimedes teria proposto ao rei um arranjo de polias para arrastar sozinho um navio lotado de cargas e de passageiros e trazer o navio até a areia da praia, algo que mesmo com muitos homens seria praticamente impossível, mas ele conseguiu usando o artifício das polias por ele inventado. Das polias e roldanas a coisa evoluiu e hoje temos ao lado dessas as engrenagens que realizam trabalho semelhante, mas com outros cálculos matemáticos. Talvez isso explique como as civilizações antigas conseguiam erguer pedras enormes e depositá-las no topo de colunas, algo que até hoje desafia nossa inteligência, basta ver uma foto dos templos e monumentos da antiga Grécia, das pirâmides do Egito, das sinagogas de Israel e admirar a elegância de enormes blocos de granito nas alturas e ficar conjecturando: Como eles conseguiam isso! Há realmente coisas aparentemente impossíveis, os blocos de granito no topo de colunas é uma delas, mas, ainda ficamos a pensar como, na volta de Jesus, os salvos serão elevados às alturas e dessa vez sem roldanas e polias. Certamente será pelo poder de Deus, algo que ainda não conhecemos no todo. Mas um dia vamos ver e sentir o poder de Deus para salvar os fieis de todos os tempos. Aliás, que força descomunal é essa que sustenta os mundos no espaço sideral? Você entende como é possível?

Os comentários estão encerrados.