Meditação diária de 30/03/2019 por Flávio Reti – Vincent Willem Van Gogh
30/03/2019
Meditação diária de 01/04/2019 por Flávio Reti – Steven Paul Jobs
01/04/2019

Meditação diária de 31/03/2019 por Flávio Reti – Renatus Cartesius

31 de março

Mateus 22:42  “Que pensais vós do Cristo?

Renatus Cartesius

De Ranatus Cartesius, um nome latino, você, talvez, nunca ouviu falar, mas de René Descartes aposto que já ouviu. É a mesma pessoa. Inicialmente um filósofo e depois recebeu reconhecimento também em física e matemática. Meio difícil de conceber um filósofo sendo reconhecido mundialmente como físico e matemático, mas foi ele quem sugeriu a mistura de geometria com álgebra e daí surge a geometria analítica e o sistema de coordenadas com seu nome atualmente. Isso tudo além de ser uma figura importante dentro da Revolução Científica. Camarada versátil, foi chamado de fundador da filosofia moderna e pai da matemática moderna além de grande pensador e influenciador do pensamento ocidental. Muitos afirmam que a partir de Descartes se iniciou o Racionalismo da Idade Moderna. Perdeu a mãe com um ano de idade e com oito anos entrou para um colégio Jesuíta, mas por discordar dos métodos da escola ele não desfrutava da admiração dos professores que o consideravam medíocre. Assim ele acabou se graduando em Direito, no entanto, jamais exerceu o direito, estranhamente ele foi para a Holanda e se alistou no exército pensando em continuar militar. De lá ele foi para a Alemanha onde dizem que ele teve uma visão de uma nova espécie de matemática científica. Se meteu em música e chegou a compor, mas seu fraco mesmo era a filosofia e ao publicar sua obra “Os Princípios da Filosofia” seus escritos começaram a virar ciência. Descartes tinha umas ideias loucas a respeito do universo, que ele é preenchido por um éter presente em todos os lugares, que a rotação do sol nesse éter cria ondas e redemoinhos e por aí se explica o movimento dos planetas, e que a luz se propaga no éter desde o sol, coisas dessa natureza que até parecem loucura dele. Bem, ele não morreu de loucura, mas de pneumonia lá em Estocolmo, na Suécia, e por ser católico, enquanto a Suécia era considerada um país protestante, ele foi enterrado num cemitério especialmente feito para crianças não batizadas pela igreja católica. Seus restos foram levados para a França, para uma abadia em Paris e no mesmo ano a igreja católica proibiu a circulação de seus livros. Realmente ele foi um revolucionário do pensamento da época, e sua tese principal era que “a dúvida é o primeiro passo para se chegar ao conhecimento”. Descartes conseguiu entender que a história de um povo, seus costumes e crenças, sempre influencia a maneira como esse povo vê a vida, como pensa e em que vão acreditar. A frase famosa “Penso, logo existo”, conhecida por sua forma em latim Cogito, ergo sum, é de René Descartes.

Agora, nós é que temos que pensar: Como estamos vendo a vida? O que está nos influenciando? Em que acreditamos? São perguntas para nós respondermos dentro da filosofia de vida que levamos e da vida que esperamos. Para nós, não basta filosofar, nós temos que ter certeza daquilo que professamos e do que cremos, porque filosofia não vai levar ninguém para o céu, apenas pela graça mediante a fé que se manifesta pelas obras. Sem filosofia, mas com muita certeza e definição de vida.

Os comentários estão encerrados.