Você sabia que o App… #10 Programas
29/10/2017
Comissão de Nomeações para Liderança da Igreja do UNASP-HT 2018
30/10/2017

Meditação diária de 30/10/2017 por Flávio Reti

30 de outubro
Dia dos protestantes

II Crônicas 24:19   “Contudo, Deus enviou profetas entre eles para os fazer tornar ao Senhor, os quais protestaram contra eles, mas eles não lhes deram ouvidos”

Protesto não é novidade para nós que vivemos neste século. Todos os dias temos visto protestos dos mais variados e pelos motivos também mais variados. Sem teto obstruindo as estradas, estudantes invadindo a escola, servidores bloqueando a entrada de locais públicos, caminhoneiros querendo parar o país e por aí vai. Cada grupo tem seus motivos para protestar, nem sempre com razão, às vezes. Mas o dia dos protestantes nada tem a ver com os arruaceiros que vemos por aí prejudicando a população de alguma maneira. O dia dos protestantes nos faz lembrar a Reforma Protestante efetuada por Martinho Lutero, um frade alemão que, estudando as escrituras, observou vários pontos de divergência entre a pregação e a prática da religião dominante na Alemanha de seus dias. O membros da Igreja Luterana comemoram a data de 31 de outubro como o dia nacional da proclamação do evangelho. Em 30 de outubro Martinho Lutero se indispôs contra a igreja e no dia 31 os Luteranos comemoram como o dia da proclamação do evangelho puro.

O Brasil era recém descoberto, o ano era 1.500, e em 1.517 o jovem frade Martinho Lutero pregou na porta do castelo de Wittemberg 95 teses explicando porque não concordava com os dogmas da igreja. Era realmente um protesto, ele mesmo não sabia que geraria tamanha movimentação das massas e iniciaria no mundo o movimento protestante das igrejas. O que ele propunha era uma reforma nas doutrinas católicas e ele achou por bem colar na porta do castelo onde as elites da igreja haviam de se reunir. Acabou que Lutero e seus adeptos foram excomungados pelo papa Leão X, três anos depois. Desse movimento todo nasceu a Igreja Luterana da Alemanha. E Martinho Lutero, temendo a morte por heresia, como fazia a igreja com todos que se rebelassem contra ela, se refugiou noutro castelo, o de Wartburg, e lá ele traduziu a bíblia do Latim para o alemão. Para se ter uma ideia do poderio da igreja, veja esta citação do “O Grande Conflito”: “O papado se tornou o déspota do mundo. Reis e imperadores curvavam-se aos decretos do pontífice romano. O destino dos homens, tanto temporal como eterno, parecia estar sob seu domínio. Durante séculos as doutrinas de Roma tinham sido extensa e implicitamente recebidas, seus ritos reverentemente praticados, suas festas geralmente observadas. Seu clero era honrado e liberalmente mantido. Nunca a Igreja de Roma atingiu maior dignidade, magnificência ou poder” (p.60). Esse era o ambiente em que vivia a população quando Martinho se rebelou. O auge do papado era a maior escuridão do mundo. As escrituras eram desconhecidas dos homens, se elas existiam, eram amarradas com correntes nos conventos e negado seu acesso ao povo leigo. Só os pais da igreja tinham o direito de interpretá-las. Aproveitando-se da ignorância do povo em geral, e necessitando de dinheiro para construção de parte do vaticano, os romanistas lançaram a venda de indulgências que era a venda de perdão pelos pecados cometidos a todos que se alistassem na guerra do pontífice contra os hereges, sendo o principal herege o monge rebelde Martinho Lutero. Foi com dinheiro das indulgências que a igreja se locupletou e “abarrotou os cofres para sustentar a magnificência, o luxo e os vícios dos pretensos representantes daquele que não tinha onde reclinar a cabeça”.

Hoje, ao falar em dia do protestante, não podemos esquecer da luta que foi para os reformadores introduzir no mundo o movimento protestante. Era uma luta de cordeiro contra leões. Muitos foram degolados, empalados, queimados vivos como uma demonstração de “assim se faz com os hereges” inconformados. As igrejas evangélicas protestantes de hoje devem sua liberdade de culto ao jovem Martinho Lutero, o monge que ousou enfrentar o gigante moderno. Graças a Deus pela vida de Lutero. Hoje temos liberdade de culto. Mas, nada promete que vamos continuar assim. Aí vêm dias em que a espada do algoz se levantará novamente e a igreja verdadeira passará por prova semelhante ou mais cruel ainda. Os últimos dias não serão dias fáceis. Por isso é que há uma certa insistência de preparo para os últimos dias. “Se fiel até a morte e dar-te-ei a coroa da vida” (Ap.2:10).

Os comentários estão encerrados.