Nota de falecimento: Jessé Pimenta
29/07/2017
Meditação diária de 31/07/2017 por Flávio Reti
31/07/2017

Meditação diária de 30/07/2017 por Flávio Reti

30 de julho

Dia da Província Cisplatina

Josué 6:2    “Então, disse o Senhor a Josué: Olha, entrego na tua mão Jericó, seu rei e os seus homens valorosos”

O que hoje você conhece como Uruguai já pertenceu ao Brasil. Província Cisplatina era o nome dado ao território que abrange hoje o Uruguai e que foi anexado ao Brasil nesta data de 31 de Julho de 1821. Foi resultado de conquistas do Império Português contra os Espanhóis e cujas ações judiciais se arrastaram até 1828 quando o Brasil assinou o tratado do Rio de Janeiro dando definitivamente a chamada Província Cisplatina de volta aos uruguaios. O Brasil e a Argentina reivindicavam a posse da terra, mas em 27 de Agosto de 1828 os dois países assinaram a renúncia da terra e a cessação das hostilidades. Assim nasceu o país chamado Uruguai. Estava formado o Estado Uruguaio com o compromisso de não se unir à Argentina

Assim que entraram na terra de Canaã, o povo de Israel, liderados por Josué, tinha a incumbência de destruir os povos pagãos perversos e ocupar suas terras que eram exatamente as terras prometidas sob juramento a Abraão, a Isaque e a Jacó. E eles começaram por destruir a cidade de Jericó e daí para frente foi uma lista de conquistas e em seguida o assentamento do povo na terra. (Veja lista dos reis derrotados e territórios conquistados em Josué 12:7 – 24).

Josué, no entanto, não deveria continuar a guerra de conquista. Seu trabalho era assentar o povo na terra e deixar que eles continuassem conquistando. Era o dever de cada tribo conquistar sua própria herança. Se o povo se mostrasse fiel a Deus, Ele repeliria seus inimigos de diante deles e prometeu ainda maiores possessões se tão somente fossem fieis ao seu concerto. “As guerras de conquista terminaram e Josué se retirara ao pacífico remanso de seu lar, em Timnate-Sera. E sucedeu que, muitos dias depois que o Senhor dera repouso a Israel de todos os seus inimigos em redor, … chamou Josué a todo o Israel, aos seus anciãos, e aos seus cabeças, e aos seus juízes, e aos seus oficiais. Alguns anos haviam-se passado desde que o povo se estabelecera em suas posses, e já se podiam ver aparecendo os mesmos males que até então acarretaram juízos sobre Israel. Sentindo Josué as debilidades da idade a assaltarem-no, e compreendendo que sua obra logo deveria encerrar-se, encheu-se de ansiedade pelo futuro de seu povo. Foi com um interesse maior do que o de um pai que ele lhes falou, reunindo-se eles mais uma vez em redor de seu idoso chefe. “Vós já tendes visto”, disse ele, “tudo quanto o Senhor vosso Deus fez a todas estas nações por causa de vós, porque o Senhor vosso Deus é o que pelejou por vós.” Posto que os cananeus tivessem sido subjugados, ainda possuíam uma porção considerável da terra prometida a Israel e Josué exortou o seu povo a não ficar em sossego, e esquecer-se da ordem do Senhor de desapossar inteiramente aquelas nações idólatras” (P.P. p.521). Bem, aqui começa a história da derrocada do povo de Israel. Eles não expulsaram todos os seus inimigos, antes permitiram que ficassem entre eles e que fossem seus servos. Com o tempo, a idolatria entrou nos lares de Israel e o povo se afastou do Senhor e fez pecar Israel. Temos uma lição a aprender com essa história: Quando Deus ordena, ele deve ser obedecido à risca, do contrário sempre haverá consequências. Deus é fiel, mas é justo também. Futuramente o povo de Israel sofreu o mesmo que ele infligiu aos povos conquistados. Sofreu a invasão dos Assírios, dos Babilônios, dos Romanos, voltaram a ser escravos e tudo porque não cumpriram à risca a palavra do Senhor. É um caso para pensar. Devemos mostrar pela nossa vida que as leis de Deus são designadas para nosso bem e que quando obedecidas promovem a felicidade nesta vida e contribuem com o preparo para a vida por vir.

Os comentários estão encerrados.