Meditação diária de 28/06/2017 por Flávio Reti
28/06/2017
Comunicado aos telespectadores da TV Novo Tempo
29/06/2017

Meditação diária de 29/06/2017 por Flávio Reti

29 de junho

Dia do pescador

Jeremias 16:16    “eis que mandarei vir muitos pescadores, diz o Senhor, os quais os pescarão; e depois mandarei vir muitos caçadores, os quais os caçarão de todo monte e de todo outeiro e até das fendas das rochas”

Histórias de pescadores não faltam. Eu já fui pescar com meus filhos e sobrinhos. Eles pegavam peixes e eu não. Até o ponto que eu queria voltar pra casa, mas eles estavam animados com a pescaria. De repente, surgiu lá na beira do lago um cachorro abanando o rabinho. Não tive dúvidas, peguei o cachorro e o atirei na água. Estraguei a pescaria de todos e foi aquela gritaria de murmuração. O tio está ficando doido, que isso!

Há muitas histórias de pescador e algumas são verdadeiras, mas pelas constantes mentiras contadas por pescadores que mais bebem cachaça do que pescam, muitas histórias verdadeiras passam por mentiras de pescador. Veja essa história de um jornal de Sidney, Austrália: Os australiano Charles e Albert Hobson pescaram um imenso tubarão na costa de Sydney. Ele foi levado para o aquário Coogee e lá, dias depois, o tubarão começou a vomitar um braço humano. Além disso, o braço tinha uma corda amarrada ao pulso. Estudos e uma autópsia decretaram que o braço não foi arrancado pelo tubarão mas sim por uma faca. Alguém o cortou e jogou no mar. O caso estaria encerrado se o braço não tivesse uma tatuagem que levou as investigações até o pertencente do membro, Jim Smith, ex-boxeador que se envolvera com gente da pesada e como forma de quitação de dívidas, os criminosos o mataram e esquartejaram, jogando o corpo partido em um baú no fundo do mar. O assassino foi pego e o caso solucionado. Em 2008, David Hages segurava o anzol da Barbie que a neta ganhara no último Natal enquanto a pequena ia ao banheiro. Diga-se de passagem que a menina estava apenas brincando de pescar com o avô. Hages teve uma surpresa quando um peixe-gato de quase 10Kg mordeu a isca na vara cor-de-rosa. Graças a vara de Alyssa, a neta, seu avô fisgou o maior peixe-gato da Carolina do Norte. Nem toda história de pescador é mentira.

Jesus chamou seus discípulos dizendo que faria deles pescadores de homens. Eles eram pescadores de verdade, Jesus não era. Será que Jesus estaria mentindo para eles ao invés deles mentirem para Jesus? A história fica esclarecida quando Jesus, depois de alguns anos andando e ensinando entre eles, os mandou que fossem pregar. Lucas relata o feito nas seguintes palavras: “Reunindo os doze, deu-lhes poder e autoridade sobre todos os demônios e para curarem doenças. E os enviou a pregar o reino de Deus e a fazer curas” (Luc.9:1,2). Jesus deu muitas outras instruções aos doze. Era realmente o cumprimento da promessa “eu vos farei pescadores de homens”.

No verso introdutório, Jeremias estava predizendo a maneira em que os judeus rebeldes seriam levados para o cativeiro. Segundo os historiadores, eles foram amarrados em bandos e levados a pé, numa distância aproximada de 1.500 quilômetros, uma distância de Porto Alegre ao Rio de janeiro. O profeta Amós também falou sobre levar os cativos com anzol (Amós 4:2). E foi o que fizeram os captores. Amarravam os cativos em bandos e os arrastavam com ganchos, à semelhança de anzol, cumprindo a profecia de Isaías, de Jeremias, de Amós. De tudo que foi escrito, até hoje, nada ficou sem ser confirmado, exceto duas coisas: A pregação do evangelho em todo mundo e a volta de Jesus. Vamos aguardar que, no o tempo de Deus, tudo se resolverá para os “bem daqueles que amam a Deus”.

Os comentários estão encerrados.