Culto de Oração
27/10/2020
Meditação diária de 29/10/2020 por Flávio Reti – Torradeira
29/10/2020

Meditação diária de 28/10/2020 por Flávio Reti – Torno

28 de outubro

Salmos 89:47  “Lembra-te de quão breves são os meus dias, de quão efêmeros criastes todos os filhos dos homens”

Torno

Volta e meia você se vê na necessidade de alguma peça que não existe no mercado, ou você quer inventar alguma coisa e precisa de alguma pecinha específica, onde você vai achar? Não vai achar, terá que fazer e como fazer? É aí que aparece o torno e um torneiro para fabricar artesanalmente a peça. Torno mecânico é uma máquina e ao mesmo tempo uma ferramenta que permite usinar, produzir, brunir peças. É uma máquina extremamente útil destinada à confecção ou acabamento de peças. Ele possui o que se chama de carros que podem movimentar a peça sendo torneada em várias direções, pra frente e para trás, horizontal e vertical e no final sai uma nova peça torneada, usinada, polida, do jeito que o torneiro quiser. Com a facilidade de um torno pode-se fazer eixos, polias, roscas, peças cônicas, esféricas, vasadas e qualquer peça imaginável de qualquer formato. E o que mais um torno pode fazer? Pode fresar, aplainar, retificar, furar, polir. Um torno é a ferramenta básica na indústria metalúrgica, não se entende metalurgia sem o uso de um torno mecânico. A despeito de tanta utilidade de um torno, ele é uma máquina muito perigosa que pode provocar acidentes graves. O operador, o torneiro, não pode usar correntes, anéis, roupas de manga comprida, roupas com fios pendurados ou desfiadas, nem luvas ele deve usar, mas deve usar obrigatoriamente óculos de segurança porque a limalha ou as farpas podem voar e ferir os olhos. E assim é a vida, porque muitas coisas extremamente boas acabam sendo prejudiciais ou perigosas, como a comida, por exemplo. O trabalho é ótimo para tudo, mas em excesso acaba sendo prejudicial. Há um ditado popular que diz “tudo que é demais faz mal” e é verdadeiro. A comida, o trabalho, o dormir, gastar dinheiro, e muitas outras coisas boas que levadas ao extremo de mais ou de menos faz mal. Quando você observa a política, aí é que você admite a verdade desse pensamento popular. Talvez por isso Rui Barbosa tenha escrito “De tanto ver triunfar as nulidades; de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça. De tanto ver agigantarem-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, a rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”. O excesso de nulidades, de desonra, de injustiça, de poderes nas mãos dos homens maus está solapando nosso mundo que em breve há de ser destruído. É uma questão de alguns dias mais e o fim virá, mais breve do que muitos julgam. 

 

Os comentários estão encerrados.