Meditação diária de 27/07/2019 por Flávio Reti – Frederick Grant Banting e Charles Herbert Best
27/07/2019
Novo Encontro (28/07/2019) com o Pr. Daniel Gregório
28/07/2019

Meditação diária de 28/07/2019 por Flávio Reti – Josef Vissariónovitch Stalin

28 de julho

João 10:11  “Eu sou o bom pastor, o bom pastor dá a sua vida pelas ovelhas”

Josef Vissariónovitch Stalin

 Stalin foi o secretário geral do partido comunista na União Soviética e como tal era o líder máximo da União Soviética. Ele viveu entre 1878 e 1953, morrendo com 75 anos dedicados ao comunismo. Foi no governo dele que a Alemanha foi derrotada na II guerra mundial que terminou em 1945 e foi com ele também que a União Soviética adquiriu status de potência mundial a ponto de se equiparar com os Estados Unidos. Com ele o país se expandiu, mas foi com ele também que se verificou muitas violações dos direitos humanos, como massacres, expulsão, execuções sem julgamento feitas por militares, muitas pessoas passando fome. Dizem que mais de 60.000 pessoas morreram ao longo de 30 anos do seu governo. Muito bonito na foto, mas era um demônio no comando do país. Depois dele entrou Nikita Khrushchov com um discurso de desestalinizar a União Soviética, se referindo a Stalin. Dói pensar que ele nasceu numa cabana pobre, era filho de uma costureira e de pai sapateiro, mas ao subir ao poder o poder também lhe subiu pela cabeça. Ele estudou em colégio religioso com bolsa por falta de recursos da família. Olhando assim ninguém diz, mas era deficiente físico. Tinha os dedos do pé esquerdo grudados e o braço também esquerdo era mais curto do que o direito e por isso ele foi dispensado do exército. Ainda jovem, enveredou pelo lado da política revolucionária contra os Ksaristas e mudou seu nome várias vezes para se esconder da polícia secreta (David, Nijeradze, Chijikov, Ivanovitch e por último Stalin, o que permaneceu). Foi preso seis vezes e fugiu quatro vezes, organizou assaltos a bancos, num desses assaltos 40 pessoas foram mortas. Quando atingiu o poder, qualquer oposição política em qualquer assunto se transformava em crime capital. Perseguia opositores políticos até no exterior, mesmo não sendo território soviético, como o assassinato de Leon Trótski, exilado no México e morto com golpes de picareta. Só de querer se candidatar para ser sucessor de Stalin, Sergei Kirov foi assassinado por um desconhecido enviado de Stalin. Se alguém lhe parecesse indesejável, ele se encarregava de expurgá-lo do cenário político.

Como você pode perceber nesse retalho da biografia de Stalin, ele era o tipo de pessoa que não admitia seus iguais, era todo exclusivo e carrasco com a oposição. Quanta diferença com a pessoa de Jesus Cristo que por onde andava sempre convidava as pessoas a segui-lo ensinando-as a fazer como ele fazia, que ensinassem como ele ensinava, que tivessem a mesma pregação que ele tinha. A certo momento de sua conversa com seus discípulos ele disse: “Vinte a min todos os que estais cansados e eu vos aliviarei” (Mat.11:28) e noutra ocasião ele disse “vinde após mim e eu vos farei pescadores de homens” (Mar.4:19). Percebeu como Jesus era todo inclusivo, ele procurava de muitas maneiras incluir sempre mais pessoas no seu círculo de influência. E quando deus as instruções para os discípulos trabalharem depois da sua partida, ele disse que deveriam sair e pregar ensinando até os confins da terra, fazer discípulos de todas as nações (Mat.28:19). E disse mais ainda, nessa linha de inclusão total: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que de seu único filho para todos os que neles crerem” (Jo.3:16). Por que você acha que Jesus é admirado ainda hoje por multidões de todos os continentes? Porque incluía a todos no seu lado.

Os comentários estão encerrados.