Meditação de Pôr do Sol 26/04/2019 por Edson Alexandre Jara
26/04/2019
Jantar especial de Dia dos Namorados 2019
27/04/2019

Meditação diária de 27/04/2019 por Flávio Reti – Walter Benjamin Lantz

27 de abril

Jó 41:5  “Brincarás com ele como se fora um pássaro, ou o prenderás para tuas meninas?”

Walter Benjamin Lantz

Quem é o adulto de hoje que nunca assistiu um desenho animado do Pica-Pau? Pois bem, o desenho animado do Pica-Pau saiu da prancheta de Walter Lantz, um desenhista e animador americano que veio a ser mais conhecido pela fundação Walter Lantz Studio com a criação do Woody Woodpecker que traduzido ficou por Pica-Pau. O menino Walter já nasceu com o dom de desenhar e aos doze anos passou a ter aulas de desenho, mas ao crescer ele nem sempre foi desenhista, porque, é claro, a gente nem sempre faz só que gosta, muitas vezes a vida é ingrata e joga a gente em situações inesperadas. Seu primeiro trabalho foi numa oficina mecânica, mas um de seus clientes gostou dos desenhos que via na sua oficina e se propôs arrumar para Walter um trabalhinho melhor e o empregou em um jornal de Nova York, e aproveitando a oportunidade, sempre depois do trabalho ia para uma escola de Art. A história da televisão começou ao redor de 1920 e Lantz com dezesseis anos começou a trabalhar atrás de uma câmera em um departamento de animação. Com isso Walter Lantz cresceu e quatro anos depois já dirigia, animava e protagonizava sua primeira série de desenhos animados. Daí, para chegar a Hollywood foi só um passo. Quando Walter Lantz se casou com a jovem Grace Stafford e partiu para sua lua-de-mel, no hotel onde ficaram eles ouviam o dia inteiro um pica-pau batendo no telhado e a esposinha sugeriu que Walter Lantz usasse o picapau como um personagem animado e ele resolveu fazer um teste lançando o Pica-Pau que foi de saída um sucesso. Houve uma briga judiciária com o dublador que fazia a voz do Pica-Pau e Lantz precisou achar outro dublador. Sua esposa, sem que ele soubesse, gravou um episódio fazendo a voz masculina do personagem pica-pau e Walter Lantz sem saber gostou da voz e definiu que era ideal para o desenho. Infelizmente, em 1972 Walter Lantz encerrou suas atividades no seu studio e chegou o fim do personagem Pica-Pau.

O que Lantz fez foi usar de uma figura de linguagem denominada Personificação que consiste em atribuir vida e voz a seres que normalmente não têm. Por exemplo, dizemos que o vento assobia, que o tempo voa, e não é verdade, porque o vento não é uma pessoa e nem o tempo. Muitas pessoas hoje fazem o contrário com satanás, dizendo que ele não existe e não tem voz, mas se enganam porque satanás era um anjo que foi expulso do céu por querer usurpar uma posição que não lhe pertencia, a posição de Cristo. Por isso, cuidado, não podemos negar a existência de satanás. O Pica-pau é realmente uma ficção, mas satanás é real e pode nos prejudicar na vida espiritual. O mundo vive hoje em negação de tudo. Nega a existência de Deus, nega  a criação do homem, prefere inventar uma origem estapafúrdia para a criação do ser humano e nessa esteira nega também a presença de satanás. Mas não se esqueça que o mundo está como está porque “um inimigo foi quem fez isso” (Mat.13:28).

Os comentários estão encerrados.