Meditação diária de 26/02/2020 por Flávio Reti – Caixa de som
26/02/2020
Meditação diária de 28/02/2020 por Flávio Reti – O Calendário
28/02/2020

Meditação diária de 27/02/2020 por Flávio Reti – A Calculadora

27 de fevereiro

Eclesiastes 1:15  “O que é torto não se pode endireitar e o que falta não se pode enumerar”

A Calculadora

Já vai longe o tempo em que os pastores, pra ter noção de quantas eram suas ovelhas, usavam carregar um saquitel com pedrinhas. Todas as manhãs ao sair para pastorear ele fazia coincidir cada ovelha com uma pedrinha e ao entardecer novamente ao recolhê-las no curral. Não havia o conhecimento do cálculo matemático numérico. Mas eis que na Mesopotâmia surgiu o ábaco, ainda no seu formato primitivo, o mais antigo instrumento de cálculo que segundo os historiadores foi a primeira máquina de calcular inventada. Do aperfeiçoamento do ábaco surgiu o soroban, outro instrumento de cálculo muito usado pelos povos orientais e já era usado muito antes do nascimento de Cristo, a nossa era. O Soroban ficou conhecido no Brasil trazido pelos japoneses em 1908, porque a calculadora eletrônica ainda não havia sido inventada. A palavra calcular tem origem na palavra cálculo que em latim significava pedra. É por isso que até hoje se diz que fulano tem cálculo renal ou pedra nos rins. Acredita-se que do costume de amontoar pedrinhas para calcular, nasceu o ábaco que é um retângulo com várias fileiras de pedras deslizantes num arame sendo cada arame significativo de unidades, de dezenas, de centenas e de milhar. Se você puxa uma pedra na primeira coluna e cinco na segunda, você forma o número quinze, e se puxar mais três na terceira coluna você forma cento e cinquenta e três. A ausência de um mecanismo melhor para calcular impedia o progresso científico, porque os cálculos eram demorados e tediosos. A primeira máquina de somar e subtrair foi inventada por Blaise Pascal, filho de um cobrador de impostos, em 1662. Não foi muito bem vinda pelos funcionários públicos porque temiam perder o emprego e ela ficou no esquecimento. Em 1671, um matemático alemão construiu a “roda graduada” outro mecanismo capaz de fazer as quatro operações e extrair a raiz quadrada. Ao entrar nos anos 1820, com o conhecimento da eletricidade, a calculadora começa a gestar e hoje temos as mais sofisticadas calculadoras científicas que fazem qualquer tipo de cálculo. Mas pensemos um pouco, só um pouco: Qualquer cálculo que uma calculadora possa fazer é frio, é em cima de regras e números, não diz nada do que vai no nosso íntimo. Nem sempre o que precisamos é calcular números, precisamos muitas vezes saber o valor da vida, o quanto necessitamos de Deus, quanto falta para eu ser feliz, e por aí vai. O verso mais bonito vem de Moisés, quando ele pede a Deus “ensina-nos a contar os nossos dias de tal maneira que alcancemos coração sábio” (Sal.90:12). Afinal, a vida não é só matemática e física para calcular, pode ter música, arte e ciência para nos divertir.

Os comentários estão encerrados.