Clube Luzeiros da colina – Nosso ideal
25/09/2017
CPB na igreja
26/09/2017

Meditação diária de 26/09/2017 por Flávio Reti

26 de setembro

Dia do surdo

Lucas 7:22   “Então lhes respondeu: Ide e contai a João o que tendes visto e ouvido. Os cegos veem e os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados e aos pobres é anunciado o evangelho”

Basta ter qualquer leve perda auditiva e já é chamado de surdo. Nosso conceito de surdo é quem tem perda auditiva completa ou parcial. É comum encontrar pessoas nessas condições que perderam parte ou totalmente a audição por motivos de idade, doenças, traumas. Pode ser o caso de nascer surdo. Existem recursos que podem ajudar a recuperar parte da audição, mas há casos que é irreversível. O uso da tecnologia trouxe os aparelhinhos auditivos discretos que tem ajudado muita gente. Atualmente estão fazendo implante de aparelhos sensores para pessoas totalmente surdas. É experimental, por enquanto.

Crianças gostam de brincar de surdo e às vezes até adultos se fingem de surdos. Como o caso daquele professor que disse na classe: Vocês sabiam que a pessoa mais inteligente desta escola é surda? Os alunos da classe gritaram curiosos, Quem? E o professor fingindo não ouvir, só fazia “ã, ã”. E os alunos entenderam que ele estava se fazendo de surdo para ser chamado de o mais inteligente. O ministério da Educação mantém no Rio de Janeiro um instituto, o INES (Instituto Nacional de Educação do Surdo) para ajudar a descobrir meios e formas de melhorar a vida das pessoas portadoras de surdez. Alguns recursos ajudam o surdo a se integrar confiantemente: A oficialização da língua de sinais, chamada LIBRAS que vários profissionais das escolas, das empresas já estão usando para se comunicar com os surdos. A Televisão já incluiu um recurso chamado Closed Caption que são as legendas de tudo que se fala para o surdo acompanhar lendo e assim assistir aos programas da TV da mesma forma que as pessoas normais.

Nossa bíblia faz várias menções aos surdos. Quando Deus chamou Moisés e lhe deu a missão de tirar Israel do Egito, ele se desculpou dizendo que não sabia falar. Então, Deus lhe perguntou: quem faz a boca do homem, ou quem faz o mudo ou o surdo, ou o cego, não sou eu? (Êx.4:11). Já a caminho, no deserto, Moisés advertiu os Israelitas para não amaldiçoar os surdos (Lev.19:14). Lá no Salmos 58:4 ele diz que a víbora é surda, uma curiosidade que pouca gente sabe, que as cobras não ouvem. Isaías afirma que o Senhor não é surdo para que não possa ouvir (Is.59:1). E depois vamos encontrar Jesus várias vezes curando surdos e mudos (Mar.7:37; 9:25).

Estamos preocupados com quem não ouve, mas a preocupação maior deve ser com quem ouve. Pense no caso de Adão e Eva quando ouviram a voz de Deus no jardim procurando por eles e dizendo: Adão, onde estás? Se eles ouviram bem, devem ter tremido de medo. Pensa quando Eli disse a seus filhos, sacerdotes do Senhor, que não era bom o que ele andava ouvido a respeito do mau comportamento deles diante do povo. Eles eram adúlteros e glutões, embora estivessem ministrando perante o Senhor, no santuário (I Sam.2:24). Pensa nos profetas de Baal, quando se defrontaram com o profeta Elias e apresentaram um holocausto. O falos profetas bradaram até o meio dia, se cortaram e Baal não ouvia. Mas bastou uma pequena oração de Elias e desceu fogo do Céu e consumiu a oferta sobre o altar (I Re.18:26). Pensa nas pessoas surdas a quem Jesus devolveu a capacidade de ouvir, como não deve ter sido a alegria de ouvir pela primeira vez. Agora pense na volta de Jesus, quando ressoar no céu a voz do arcanjo ordenando aos mortos que saiam de suas sepulturas porque Jesus os chama. Imagine, os mortos ouvirem e ressurgirem exatamente como foi na ressurreição de Jesus. Veja como Ellen White descreve a ressurreição de Jesus e a presença de um mensageiro celestial: “Este mensageiro é o que ocupa a posição da qual caiu Satanás. Fora aquele que nas colinas de Belém, proclamara o nascimento de Cristo. A terra treme à sua aproximação, fogem as hostes das trevas e enquanto ele rola a pedra, dir-se-ia que o Céu baixara à terra. Os soldados o veem removendo a pedra como se fora um seixo e ouvem-no exclamar: Filho de Deus, ressurge! teu pai te chama. Veem Jesus sair do sepulcro e ouvem-no proclamar sobre o túmulo aberto: “Eu sou a ressurreição e a vida.” Ao ressurgir Ele em majestade e glória, a hoste angélica se prostra perante o Redentor, em adoração, saudando-O com hinos de louvor” Desejado de todas as Nações, Pag. 780). Logo, muito logo, ouviremos do céu a voz do filho de Deus chamando vivos e mortos para a vida eterna.

 

Os comentários estão encerrados.