Culto de Domingo 25/10
25/10/2020
Meditação diária de 27/10/2020 por Flávio Reti – Torneira
27/10/2020

Meditação diária de 26/10/2020 por Flávio Reti – Tomografia

26 de outubro

Salmos 125:1  “Aqueles que confiam no Senhor são como o Monte de Sião que não pode ser abalado, mas permanece para sempre”

Tomografia

Tomografia é uma palavra nova na língua, mas é muito atual. Até há pouco tempo o que mais se ouvia em termos de diagnóstico era Raio X. De repente surgiu essa nova tecnologia e já está no vocabulário de todo mundo. É um exame também radiológico que permite ao profissional de saúde ver detalhes do corpo em forma de cortes, de fatias, que é o significado da palavra grega tomos. Um exame de tomografia é simples, não dói, e é muito rápido. É uma nova técnica assistida por computador e daí dizerem tomografia computadorizada. Por ser uma técnica nova criada em 1979, seus criadores, Godfrey Newbold Hounsfield, técnico em eletrônica, e Allan M. Cormack, um físico, eles receberam o prêmio Nobel de Medicina. O aparelho em si usa os mesmos raios X, a diferença é que as imagens vão para um computador e permite a visão da imagem capitada em três planos, transversal, de frente e de lado. A vantagem é que é um exame que identifica qualquer alteração, por sutil que seja, e isso já é uma grande diferença para o diagnóstico e para o tratamento médico. Para uma suspeita de câncer, por exemplo, a tomografia é um dos exames mais importantes porque pode identificar precocemente o tumor. A tomografia funciona como um caçador de defeitos dentro do corpo porque consegue identificar inflamações, infecção, hemorragias e líquidos na cavidade abdominal. Um único quesito que pode surgir é quando o exame exige que o paciente tome um contraste oral ou via venosa e sendo esse contraste à base de iodo, o paciente pode ter alergia, náuseas, falta de ar, coceira, inchaço na face por algumas horas e erupção na pele, mas nada grave. Pois é, apesar de ser nova tecnologia, quase todo mundo quer usar a nova e quase já aposentaram o velho raio X, mas quando a gente fala de novo céu, de uma nova terra, de um corpo renovado e incorruptível, as pessoas tem dificuldade para acreditar e para aceitar. As pessoas leigas não conhecem a tecnologia da tomografia computadorizada e aceita sem questionar. Por que, então, não aceitam as informações há séculos contidas na bíblia sobre novos céus e nova terra por ocasião da volta de Jesus? Seria preconceito pelas coisas de Deus e nada de preconceito pelas tecnologias? Logo, nos parece necessário reavaliar nossas prioridades, nossos interesses pelas coisas eternas e deixar de lado o que chamamos de preconceito, desconfiança. Se confiamos em uma máquina, por que não confiamos em Deus?

Os comentários estão encerrados.