Meditação diária de 25/07/2020 por Flávio Reti – Metrônomo
25/07/2020
Meditação diária de 27/07/2020 por Flávio Reti – Microprocessador
27/07/2020

Meditação diária de 26/07/2020 por Flávio Reti – Microfone

26 de julho

Salmo 119:11 “Escondi a tua palavra no meu coração, para não pecar contra ti”

Microfone

É difícil você pensar em alguma coisa que não tenha um microfone de alguma maneira relacionado. Eles são usados de variadas maneiras nos telefones, nos aparelhos de som, nos aparelhos auditivos, embutidos nas câmaras de vigilância, nos rádios, nas canetas dos espiões, no relógio do detetive, até nos carros que reconhecem a voz, tudo é feito através de um microfone, que é um dispositivo que converte sons em impulsos elétricos e que depois são amplificados, modulados, comprimidos, mas lá na ponta está o microfone. Antes do microfone só havia o megafone que ampliava o som apenas utilizando o ar como meio de transmissão, enquanto o microfone usa fios e cabos elétricos. O primeiro microfone realmente prático teve vários pesquisadores simultâneos, mas entre eles estava Thomas Edson. Hoje microfone não é novidade, funciona até sem fio. E no formato, então, a variação é grande, porque temos o microfone de mão, de lapela, tipo headphone a la madona, microfones dinâmicos, microfones de eletreto, microfone piezo elétrico, unidirecional, multidirecional, microfone de mesa, microfone suspenso, e a lista vai longe, sem falar dos microfones escondidos, disfarçados, porque às vezes um furinho no abajur é um potente microfone espião. Uma utilidade que muitas vezes passamos por alto é que um microfone serve para testar a desenvoltura do locutor. Aquele camarada que diante de um microfone encolhe, se enrola, trança as mãos e os braços quando não fica sem voz e sai de cena. Muitas pessoas que são falantes se calam diante de um microfone. A vantagem do microfone não se limita a amplificar a voz do orador, mas ao falar diante de um microfone sua audiência é infinita, você nunca sabe quantas pessoas vão estar ouvindo sua fala e onde vão estar ouvindo. Você perde o controle do que você fala e o alcance é imprevisível. Nos dias de Jesus não havia microfone, no entanto ele também falava para multidões. A bíblia registrava as vezes que ele se encontrava na encosta das colinas, na praia do lago, falando das bem aventuranças, das coisas do reino de Deus, e as multidões de perto e de longe vinham para ouvir o novo mestre enviado de Deus que ensinava, curava e mudava a vida das pessoas. Comentando a respeito do microfone e das palestras de Jesus, podemos concluir que o mais importante não é o como se fala, mas o que se fala. Alguém pode fazer um discurso de duas horas e não convencer ninguém enquanto outo pode falar duas palavras e mudar uma situação. Foi exatamente o que Jesus fazia, porque ele era assertivo, ia ao ponto e não desperdiçava palavras.

Os comentários estão encerrados.