Meditação diária de 24/02/2020 por Flávio Reti – Cadeira Elétrica
24/02/2020
Meditação diária de 26/02/2020 por Flávio Reti – Caixa de som
26/02/2020

Meditação diária de 25/02/2020 por Flávio Reti – A Cafeteira

25 de fevereiro

Isaías 1:19  “Se quiserdes e ouvirdes, comereis o bem desta terra, mas se recusardes e fordes rebeldes, sereis devorados à espada, porque a boca do Senhor o disse”

A Cafeteira

Nós adventistas não tomamos café, mas aposto que todos sabem fazer café porque se lembram de como suas mães e avós faziam antigamente. Ferviam a água e colocavam nela umas duas colheradas de pó de café torrado e moído, passavam por um coador de pano costurado em um arco de arame, adoçavam e estava pronto aquele café que aromatizava toda a casa. Ah, nossas avós tinham também um moinho manual com o qual elas mesmas depois de torrar o café num torrador giratório em cima do fogão, moíam e faziam o pó para depois fazer o café. Hoje, para economizar serviço, os homens inventaram as cafeteiras elétricas que fazem a mesma coisa, fazem café. Como o próprio nome indica, é um utensílio da cozinha idealizado para preparar café, mas com o advento das “máquinas” de café, a cafeteira como nossos pais conheceram foram caindo em desuso e hoje uma cafeteira tradicional só serve pra aquecer água. Como os fogões eram à lenha, e tinham aberturas redondas por onde subiam as chamas, chamadas de boca do fogão, as cafeteiras eram adaptadas a se ajustarem nessas bocas. Algumas cafeteiras elétricas ainda guardam esse formato, mas já mudaram muito da original cafeteira. Há, temos ainda aquelas cafeteiras próprias para servir o café, o que alguns chamavam de bule em alguns lugares do interior do país, e que fazem parte das mesas onde ficam as panelas com as comidas, porque depois de se servir e comer, muitas pessoas gostam de tomar um café por cima, é o bolo da cereja pra muitas pessoas que já são até viciadas em café. As cafeteiras modernas são melhores elaboradas e dispensam o fogão à lenha, e até o fogão a gás, porque hoje tudo, ou quase tudo, é elétrico e com vantagem no desempenho e na velocidade do preparo do café. Elas são impressionantemente práticas, fervem, coam, misturam creme e outros aromas, adoçam e entregam prontinho na xícara do freguês. Se duvidar, vem até com desenhos na espuma. Parece até que as cafeteiras modernas fazem milagres, desde o pó do café moído (e algumas moem na hora), da fervura, da coagem, da adição de açúcar, de aromatizantes e despejam diretamente na xícara prontamente que até receberam o nome de “máquinas de café expresso”. Fiquei pensando em quanta tecnologia para fazer um café e confabulando comigo mesmo pensei como a salvação é um ato tão simples e como as pessoas a tornam tão complicada. Criam regras, inventam métodos, fazem penitências e promessas, procuram cargas pra carregar, enquanto Jesus diz “vinde a mim todos que estais cansados e oprimidos eu vos aliviarei”. Simples assim, mais ou menos como fazer um cafezinho no tempo da vovó, sem as máquinas inventadas.

Os comentários estão encerrados.