Meditação diária de 21/07/2019 por Flávio Reti – Michael Schumacher
21/07/2019
Meditação diária de 23/07/2019 por Flávio Reti – Alberto Santos Dumont
23/07/2019

Meditação diária de 22/07/2019 por Flávio Reti – Lars Schimidt Grael

22 de julho

Isaías 55:3  “Inclinai os ouvidos e vinde a mim, ouvi e a vossa alma viverá…”

Lars Schimidt Grael

Lars é filho de uma família de Iatistas e como tal é também aficionado em iatismo. Tem um irmão (Torben Grael) que também é iatista e ambos participaram de campeonatos e jogos Olímpicos, especialmente os Jogos Olímpicos de Los Angeles em 1984 e de Atlanta em 1996, ganharam medalhas em Seul e assim vai a história deles. Mas a vida lhe foi ingrata, sua vida passou por uma reviravolta inesperada quando ele participava de uma regata em Vitória, porque quando tudo parecia ir bem, uma lancha invadiu a área da competição e bateu no barco onde estava Lars que ao cair teve a perna decepada pela hélice da embarcação. Ele sofreu esse grave acidente por imperícia e por irresponsabilidade de um comandante de Iate que lhe causou a amputação de uma perna e com isso o velejador foi obrigado a se afastar do seu esporte preferido por um bom tempo. O empresário Carlos Guilherme de Abreu socorreu o iatista, mas não foi possível salvar e reimplantar a perna decepada e com isso ele foi condenado a pagar uma indenização de 2.4 milhões a Lars Grael e uma pensão mensal vitalícia de 7.3 mil reais. Sem poder participar diretamente no esporte, ele passou a promover o iatismo de outra maneira mais inteligente. Resolveu participar da política exercendo cargos no governo tanto federal como em seu próprio estado e com isso ele foi convidado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso a se responsabilizar pelo cargo de Secretário Nacional de Esportes ao lado do Ministro do Esporte e Turismo. Mas quem é peixe não vive fora da água e Lars voltou, mesmo amputado, a se dedicar à vela e continuar disputando classificação e medalhas. Uma medalha que ele tem na coleção lhe é muito cara, é a medalha do Mérito Desportivo Militar. Ele vivia o auge de sua carreira como velejador quando se viu obrigado a reprogramar sua vida. Depois dos cargos públicos, sua história de superação lhe rende alguns bons trocados dando palestras sobre o esporte, especialmente o iatismo, e sobre sua própria experiência e sua agenda está sempre lotada. Pelo nome e pelo sobrenome, você já percebe que eles não são totalmente brasileiros, embora nascidos no Brasil, é que eles tem ascendência dinamarquesa e herdou do avô essa preferência pelas velas desde os 4 anos de idade.

Eu particularmente gostei a frase “Ele foi obrigado a reprogramar a sua vida”, porque a vida que levamos neste mundo é muito incerta, a qualquer momento ela pode nos pregar uma peça e a nossa rotina pode ser revirada de pernas para o ar. Foi o que aconteceu com ele e pode acontecer com qualquer um de nós. Não temos certeza de nada nesta vida. Nossa única certeza é que um dia vamos morrer, mas até lá muita coisa pode acontecer e nos prejudicar para o resto da vida, que embora seja uma vida inglória, ninguém pensa em deixá-la antes da hora e nem ficar inutilizado sem propósito. Todos nós queremos viver e viver bem, esse anseio está dentro do egoísmo natural do ser humano, mas, como diz a bíblia, “se Deus não guardar a casa, em vão vigia o sentinela” (Sal.127:1). Por isso é vital que aprendamos colocar nossa vida nas mãos de nosso Deus e nosso Criador que nos conhece por inteiro. Vamos fazer isso?

Os comentários estão encerrados.