Meditação diária de 21/06/2020 por Flávio Reti – Internet
21/06/2020
Meditação diária de 23/06/2020 por Flávio Reti – Isqueiro
23/06/2020

Meditação diária de 22/06/2020 por Flávio Reti – Isopor

22 de junho

Daniel 12:3  “Os que forem sábios, pois, resplandecerão como o fulgor do firmamento e os que converterem a muitos para a justiça, como as estrelas, sempre e eternamente”

Isopor

O que nós chamamos de isopor na indústria química é chamado de poliestireno (EPS do Inglês Polysterene) É uma resina do grupo dos plásticos que se expande quando aquecida. É a matéria prima dos copos descartáveis, das embalagens. Tem grande aceitação porque é de fácil flexibilidade e moldabilidade sob a ação do calor. Em Portugal ele é conhecido como esferovite e aqui no Brasil como isopor. Depois de pronto é como uma espuma moldada feita de grãos grudados uns aos outros. As caixas térmicas são feitas de poliestireno e no nosso mercado ele é muitíssimo encontrado para conservação de alimentos e bebidas funcionando como isolante e assim conserva a temperatura. Usado também como isolante dos freezers e geladeiras. A construção civil está despertando para a construção de paredes de isopor revestidas de argamassa. As lajes das casas já utilizam isopor ao invés de lajotas que depois é recoberta com argamassa ou com gesso. Suas várias características o fazem um produto de várias aplicações com qualidades desejáveis nos materiais de construção: fácil coloração, aceita facilmente pintura, baixo custo, resistente a álcalis e ácidos, baixíssima absorção de umidade, resistente ao calor e é reciclável. O isopor, quem diria, têm muitas aplicações na vida moderna, mas quem foi o inventor disso e quando foi inventado?  O poliestireno foi descoberto em 1839, por Eduard Simon, um boticário, em Berlim, não é um produto novo, apenas explorado nos últimos anos. É um produto barato e largamente utilizado e isso me leva a pensar na sua utilidade, em quantas coisas ele está presente e remeto meu pensamento a muitas pessoas que não tem utilidade na vida. Nem elas mesmas sabem porque estão vivas. Não produzem, só consomem e quando morrerem não vão fazer falta para o mundo. Pessoas assim há aos milhares, que não sentem que devem ser útil de alguma forma, afinal, temos aquele ditado popular que diz que “quem não vive para servir não serve para viver”. Quando Deus chamou Abraão, lá da terra de Ur dos Caldeus, uma das coisas que Deus recomendou a ele é que fosse uma bênção, além de outras coisas. E ele correspondeu ao chamado de Deus. Agora, pensando em si, pergunte-se: Estou eu sendo útil nesta vida ou vão dizer de mim quando morrer: já foi tarde. Deus espera grandes coisas de nós, especialmente que ajudemos na pregação do evangelho. Se fizermos isso, já não passamos pela vida em vão.

Os comentários estão encerrados.