Meditação diária de 20/05/2020 por Flávio Reti – Filmadora Super 8
20/05/2020
Meditação diária de 22/05/2020 por Flávio Reti – Fita Adesiva
22/05/2020

Meditação diária de 21/05/2020 por Flávio Reti – Fissão Nuclear

21 de maio

Salmos 27:1  “O Senhor é a força da minha vida”

Fissão Nuclear

Estamos diante de um assunto complicado na área da física que é a divisão do núcleo de um átomo em dois núcleos menores. Esse processo recebe o nome de fissão nuclear. É quando um nêutron atinge o núcleo, normalmente de Urânio (U235) e o divide e no processo há grande liberação de energia em forma de calor e a liberação também de outros nêutrons que vão atingir outros núcleos do Urânio e a isso se chama reação em cadeia. Para leigo entender como isso ocorre, é um tanto obscuro, mas fissão nuclear é esse processo na física nuclear com a quebra do núcleo do urânio, liberando mais nêutrons e muita energia. Tudo o que existe no mundo observável é feito de matéria, que por sua vez é composta por partículas chamadas átomos. Esses átomos têm em seu interior um centro (o núcleo atômico) que é rodeado por camadas bem definidas de energia onde giram os elétrons (partículas negativas). O centro do átomo costuma ser em média de 10 a 100 mil vezes menor que o próprio átomo e comporta dentro de si os prótons (partículas positivas p) e os nêutrons (partículas neutras n). Alguns átomos possuem núcleos instáveis, ou seja, que estão em constante processo de desintegração nuclear, o que propicia a liberação das radiações radiação alfa – αradiação beta -β e radiação gama – γ. Como estão sempre em instabilidade, qualquer partícula que seja adicionada a esse núcleo pode, em suma, provocar a sua desintegração total em energia e uma maior liberação de partículas que se movem em alta velocidade. Esse é o princípio da fissão nuclear realizada nos reatores das usinas nucleares ou no interior das estruturas de uma bomba atômica. Assim entendendo, não existe nada parado na natureza, tudo está em movimento, inclusive esse livro de meditação que está agora na sua mão. Ele também é formado de átomos que possuem elétrons e nêutrons girando nas suas órbitas. A sensação de que ele está parado é porque existe uma força de coesão que mantem os átomos com seus elétrons, prótons e neutros dentro da órbita definida. Se um elétron ou um nêutron sair da órbita dele, fatalmente ele vai entrar na órbita de outro átomo e vai colidir provocando a fissura e esse foi o princípio explorado na bomba atômica. Entenda que minha linguagem para tentar mostrar como se dá o processo é uma linguagem de leigo, porque não sou químico nem físico, só estou me atrevendo a palpitar na área da física. A combustão que se dá no interior de um motor também é um tipo de fissão, mas o metano libera pouca energia, ( 8 eletron-volts) enquanto o Urânio libera nos reatores nucleares 200 MeV, ou 200 milhões de eletron volts). A pergunta óbvia agora é simples: Que força descomunal é essa que sustenta os mundos no espaço todos girando as suas órbitas sem nunca colidirem um com outro? Acredita agora em Deus?

Os comentários estão encerrados.