Meditação diária de 20/04/2020 por Flávio Reti – Descaroçadora de algodão
20/04/2020
Meditação diária de 22/04/2020 por Flávio Reti – Detector de fumaça
22/04/2020

Meditação diária de 21/04/2020 por Flávio Reti – Despertador

21 de abril

Lucas 21:34  “Olhai por vós mesmos, para que não aconteça que os vossos corações se carreguem de glutonaria, de embriaguez, e dos cudados da vida e aquele dia vos sobrevenha de improviso, como um laço”

Despertador

Tanto quanto se sabia, os relógios só faziam tic-tac continuamente. Mas eis que inventaram um relógio que além do tic-tac disparava também uma campainha para acordar primeiramente os trabalhadores que agora iam para as fábricas. Com o advento do relógio eletrônico, movido a pilha, a bateria, o tic-tac desapareceu e a campainha foi trocada por uma música de sua escolha. Os relógios chamados despertadores faz tempo que estão no corredor da morte, a caminho da extinção por causa da popularização dos celulares, dos tablets, dos smartphones dotados de relógio, alarme, cronômetro e uma quase infinidade de recursos, além de apenas despertar e marcar as horas. Mas só por curiosidade, como faziam as pessoas antes da invenção do despertador programável? Era só esperar que o galo cantasse para pular da cama? E se o galo resolvesse alterar o horário? E que tal beber bastante água antes de dormir para acordar de madrugada querendo ir ao banheiro e levantar de vez? Não, definitivamente não, essas não são formas adequadas de despertar. Nenhum desses métodos é eficiente, porque ninguém consegue regular o galo e beber água pode não resolver e a cama pode amanhecer molhada. Então vamos aguardar o sino da igreja tocar? Também não, o sacristão pode perder a hora. A história nos diz que despertador já foi uma profissão, acredite se quiser, mas entre os ingleses e irlandeses, nos dias da revolução industrial, surgiu uma solução quebra galho. Contratar um indivíduo, que faria as vezes de um despertador, mas neste caso, humano, e ele sairia pelas ruas com uma zarabatana e uma vara comprida para atingir as janelas das casas batendo até acordar os dorminhocos para irem paras as fábricas. Se a vara não alcançasse, ele usaria a zarabatana atirando pedrinhas na vidraça para acordar o proprietário da casa. Em 1847, um francês de nome Antoine Redier foi o primeiro a patentear um alarme ajustável para qualquer hora e hoje, você sabe como é, tudo tem relógio com alarme embutido, de modo que até caneta tem despertador. O que era uma dificuldade virou algo banal que ninguém pensa a respeito. Só não desperta quem não quer mesmo. Despertar para trabalhar é bom, mas não é o melhor a fazer. Devemos despertar para a vida, para os dias em que estamos vivendo, nesses dias de angústia das nações, como profetizou Jesus (Luc.21:25-26), porque o tempo se esvai e já estamos vivendo no raiar de um novo dia, o dia da volta de Jesus. Esse deveria ser o maior despertamento de toda a humanidade, porque o que está profetizado virá a acontecer, por isso desperte, meu amigo, já está na hora!

Os comentários estão encerrados.