Moção de Parabenização da Câmara Municipal de Hortolândia aos Adventistas pelo “Dia do Adventista”
19/10/2017
Comentários da Lição 3 (4o Trim/2017) por Membros da Classe do EJC
20/10/2017

Meditação diária de 20/10/2017 por Flávio Reti

20 de outubro
Dia do poeta

Atos 17:28   “Porque nele vivemos e nos movemos e existimos, como também alguns dos vossos poetas disseram. Pois nele também somos geração”

Eu consigo fazer versos com ritmo, rima e cadência porque aprendi com o Professor Moisés Prates as técnicas de versificação, mas não me considero um poeta. Minha poesia é técnica, não nascida do coração, como fazem os poetas natos. A poesia nasce da emoção, passa pela imaginação e aterrissa no papel. O poeta escreve uma palavra, para e pensa para escrever a segunda, mas lá no seu subconsciente já alinhavou a rima, o ritmo e a cadência e vai sonhando acordado os belos sonhos da alma, nascidos do coração que vão se deitando nas linhas de uma folha de papel. Depois do ponto final, lá está uma obra de arte, numa linguagem que fala muito com poucas palavras, é a linguagem poética, conotativa, eivada de sentimentos, de emoção, carregada de adjetivos sugestivos oriundos da abstração. Eu aprecio muito os versos de Fernando Pessoa, intitulado O Fingidor. Aqui está a primeira estrofe:

O poeta é um fingidor.

Finge tão completamente

Que chega a fingir que é dor

A dor que deveras sente.

Aprecie também esses versos de um poeta crioulo nosso, de nome Braúlio Bessa, fazendo uso de uma linguagem caipira, carregada de sotaque, mas bem objetiva da sua terra:

Sou o gibão do vaqueiro, sou cuscuz sou rapadura, sou vida difícil e dura,

sou nordeste brasileiro, sou cantadô violêro,
sou alegria ao chovê, sou dotô sem sabê lê,
sou rico sem sê granfino, quanto mais sou Nordestino, mais tenho orgulho de sê.
Na minha cabeça chata, no meu sotaque arrastado, no nosso solo rachado,
essa gente maltratada, quase sempre injustiçada, acostumada a sofrê.
mesmo nesse padecê, sou feliz desde menino, quanto mais sou Nordestino, mais tenho orgulho de sê.

Aristóteles dizia que “O historiador e o poeta não se distinguem um do outro pelo fato de o primeiro escrever em prosa e o segundo em versos. Diferem entre si, porque um escreveu o que aconteceu e o outro descreve o que poderia ter acontecido”. A poesia não deixa de ser uma arte, apenas que é verbal, mas é muito criativa. É a arte de escrever em versos, muito adequada para expressar sentimentos, emoções e pensamentos. O Brasil já teve muitos poetas que alcançaram fama. O período chamado na história de Romantismo, na literatura brasileira, foi o que mais produziu poesias e poemas mais sentimentais. É sempre nos poemas que você vai encontrar amor, mistério, drama, felicidade, música e muito mais. Hoje é o dia do poeta. Tente escrever alguma coisa de belo, com ares de poesia, pense na beleza da vida, do amor e se inspire. Procure lembrar que Deus é o autor maior do belo. Ele quem pôs no coração do homem os sentimentos pelas obras criadas, a inspiração sempre vem do alto, de cima, como diz a bíblia, “Toda boa dádiva e todo dom perfeito vem do alto, descendo do pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação” (Ti.1:17). Desperte o poeta que está dormente em você e diga coisas bonitas guardadas na sua alma que você mesmo nem suspeitava. A poesia é uma linguagem quase divina, pode crer. Os livros de Salmos, provérbios e cantares foram escritos em versos para serem cantados pelo povo judeu nas suas comemorações.

A cidade de Atenas era a metrópole do paganismo. Ali Paulo não se encontrou com uma população crédula e ignorante, mas com um povo famoso por sua inteligência e cultura. Em todos os lugares estavam à vista estátuas de seus deuses e de seus heróis divinizados na História e na poesia, enquanto magnificentes arquiteturas e pinturas representavam a glória nacional e o culto popular de deuses pagãos. O senso do povo estava empolgado com o esplendor e a beleza da arte. De todos os lados santuários, altares e templos representando vitórias das armas e feitos de homens célebres que eram comemorados pela escultura, relicários e placas. Tudo isto fez de Atenas uma vasta galeria de arte. Quando Paulo viu a beleza e a grandeza que o rodeavam, e vendo a cidade toda entregue à idolatria, seu espírito se encheu de zelo por Deus, a quem via desonrado por todos os lados. Seu coração se comoveu de piedade pelo povo de Atenas, que embora culto intelectualmente, era ignorante do verdadeiro Deus. Paulo sentiu pelos atenienses que tinham arte e poesia, mas não tinham Deus. Responda agora, o que é melhor ter: arte e poesia ou Deus e alegria?

Os comentários estão encerrados.