Meditação diária de 18/07/2017 por Flávio Reti
18/07/2017
Meditação diária de 20/07/2017 por Flávio Reti
20/07/2017

Meditação diária de 19/07/2017 por Flávio Reti

19 de julho

Dia dos povos oprimidos

Salmo 82:3   “Fazei justiça ao pobre e ao órfão, procedei retamente com o aflito e o desamparado”

O poeta e dramaturgo Friedrich von Schiller, da Alemanha, disse o seguinte: “Sempre podemos observar que os povos mais oprimidos são também os menos inteligentes, em consequência disso, deve-se iniciar a obra de esclarecimento de uma nação melhorando as suas condições de vida”

Para melhor entender o que ele disse, vamos tentar esclarecer. Ele está dizendo que os povos oprimidos são privados da condição de adquirir conhecimento e bem por isso mesmo ficam cada vez mais atrasados em relação aos demais que podem e tem acesso ao conhecimento, coisa que é comum nas sociedades livres de opressão. Você tem ainda hoje povos no oriente e na África que estão presos, amarrados, aos costumes, crenças, pensamentos impostos pelos governantes e, pior ainda, pelos líderes religiosos. Você pode notar também que a maior parte daqueles que reclamam por ser oprimidos estão sempre esperando uma oportunidade para ser eles os opressores. É necessário dar aos oprimidos a verdade sobre a sua situação e isto vai lhes abrir os olhos e pode ser perigoso porque abre também o caminho para a revolução. Manter o povo na ignorância muitas vezes é melhor e mais lucrativo. Um povo que pensa vai fatalmente achar defeitos no sistema e vai se revoltar. Logo, é melhor manter o povo na ignorância para evitar confusões e revoltas. Ainda mais que a opressão estimula o desejo de também oprimir, assim que a ocasião for oportuna. A opressão de um povo não ocorre por acaso, ela tem uma causa, a ignorância. Nenhum povo se tornou oprimido por acidente. A causa é central e não periférica. Quando falamos de um povo oprimido, estamos falando de um povo cuja estrutura social está frouxa, abalada. A ignorância obscurece as mentes e não deixa espaço para pensar uma saída. Daí, vem um outro grupo mais esclarecido e se aproveita da situação. Nesses ambientes fica fácil a implantação do comunismo, do socialismo, fruto do obscurantismo. O profeta Oseias foi claro ao dizer que o povo de Israel foi oprimido e destruído por falta de conhecimento (Os.4:6). A melhor saída da opressão é pelo conhecimento, pela cultura.

Mas a opressão não é apenas econômica, social, ela é também religiosa. Reparar que nos países do oriente a religião é estatal, não é permitida outra religião entrar e fazer prosélitos. Falar de uma outra religião pode ser punido com a pena de morte capital. O evangelho tem dificuldades para entrar nesses países como Arábia Saudita, Iran e outros. Um converso nesses países geralmente é desfilhado, destituído do direito de herança, quando não é morto pela própria família. Em muitos países da África não é diferente. Dentro do Islamismo não há espaço para o Cristianismo. A opressão impera absoluta em termos religiosos. Por outro lado, quando o evangelho chega há uma abertura enorme para as boas novas de Jesus. Os ensinamentos bíblicos abrem a mente e fazem as pessoas pensarem mais altruisticamente, pensar no bem dos outros, dá uma esperança e outra expectativa de vida. Aquele que ouve uma vez o evangelho nunca mais será o mesmo. Nasce-lhe na mente um desejo de se desvencilhar das opressões, da ignorância que vem atravancando sua ascensão a um lugar na sociedade em pé de igualdade com os demais.

Por isso foi que Paulo disse corajosamente: “Eu não me envergonho do evangelho de Cristo, porque é o poder de Deus para salvação de todo aquele que crê, primeiramente do judeu mas também do grego” (Rom.1:16). Todo mundo sabe que cultura é um fator de dominação e sabe também que a ignorância é que atravanca o sucesso. Há coisas que não podemos ignorar. O conhecimento da salvação não pode e não deve ser ignorado por ninguém. A todos é anunciado o reino dos céus. A oportunidade de ascensão está passando hoje por você. Aproveite, aprenda alguma coisa mais.

 

Os comentários estão encerrados.