Programa Jovem
18/05/2017
Meditação Diária de 20/05/2017 por Flávio Reti
20/05/2017

Meditação Diária de 19/05/2017 por Flávio Reti

Dia do defensor público

“Porque é necessário que todos nós sejamos manifestos diante do tribunal de Cristo, para que cada um receba o que fez por meio do corpo, segundo o que praticou, o bem ou o mal” II Coríntios 5:10

A defensoria Pública é um órgão do governo que em suma se presta a oferecer assistência jurídica integral às pessoas que não dispõem de recursos para pagar um advogado. A função de um defensor público é exatamente prestar assistência aos financeiramente incapazes de arcar com as despesas de um processo normal. Entre os clientes da defensoria pública estão os grupos dos consumidores, idosos, crianças, adolescentes e mulheres vítimas de algum tipo de violência sem recursos para defender suas causas. Se todos são iguais perante a lei, todos têm o direito à defesa diante da lei. A defensoria pública teve seu início no Rio de Janeiro, por meio de um decreto instituindo a Assistência jurídica aos menos favorecidos financeiramente. O Brasil é um dos únicos países que dá tratamento constitucional ao direito de acesso dos insuficientes de recursos à justiça. Seria o direito de ter direito, uma faceta da democracia na construção de uma sociedade igualitária, mais justa e solidária. Então, se algum dia você tiver uma causa e não puder arcar com os custos da defesa de sua causa, pode procurar a defensoria pública e alegar falta de meios pedindo a assistência em seu benefício, porque é legal e disponível a todos.

Certa vez, indo para São Paulo, Algum carro que passou pela rodovia deixou desprender uma peça que ficou exposta na estrada pedagiada. O carro que ia à nossa frente levantou a peça e a atirou contra nosso carro que foi avariado na lataria. Ao procurar a Concessionária, alegando falta de inspeção na via para que aquela peça fosse deixada lá e nos causasse prejuízo, esta se negou a ressarcir o dano. Nosso recurso foi procurar a defensoria pública que prontamente assumiu o caso e a Concessionária, no final, arcou com o prejuízo. A defensoria alegou falta de limpeza do leito carroçável e consequentemente culpou a Concessionária como responsável pelo ocorrido.

A bíblia fala de “um advogado junto ao pai, Jesus Cristo, o justo” (I Jo.2:1) onde o apóstolo João coloca da seguinte maneira: “Meus filhinhos, estas coisas escrevo para que não pequeis, mas, se alguém pecar, temos um advogado para com o pai, Jesus Cristo, o justo”. Na realidade, o que mais necessitamos não é de um advogado da defensoria pública que possa nos defender aqui na terra de alguma questiúncula entre os humanos. O que precisamos mais é de um advogado junto a Deus para nos defender da ira divina. Nas palavras de Jó, ao dizer “Eis que agora mesmo, a minha testemunha está no céu e o meu advogado está nas alturas” (Jó 16:19), Jó tinha confiança na sua defesa exatamente porque seu advogado, seu defensor público, está no céu.

Cabe-nos desenvolver a confiança na defesa de Cristo que “está à direita de Deus e também intercede por nós” (Rom.8:34). Se algum dia perdermos o direito à vida eterna, à cidade celestial, não será por causa de não termos quem nos defenda. Será por não termos recorrido a tempo, através de Cristo, àquele que julga corretamente nossa causa contra o inimigo das almas, o diabo. Sejamos, pois, inteligentes enquanto o recurso de uma defensoria gratuita e completa está disponível a todos indistintamente no tribunal do céu.

“Havia entre os gregos e os romanos o costume de permitir a um acusado o privilégio de contratar um advogado para pleitear em seu benefício perante as cortes de justiça. Por força de argumentos, por apaixonada eloquência, ou por apelos, rogos e lágrimas, tais advogados logravam muitas vezes assegurar a decisão em favor do prisioneiro, ou, falhando isto, conseguiam abrandar a severidade da sentença. Mas quando Paulo foi chamado perante Nero, ninguém se aventurou a funcionar como seu conselheiro ou advogado, nenhum amigo lhe esteve ao lado, nem mesmo para preservar um relatório das acusações apresentadas contra ele, ou dos argumentos que usou em sua própria defesa. Não houve entre os cristãos de Roma, quem viesse à frente para estar a seu lado nesta hora de prova” (Atos dos Apóstolos, p.493). Quando Paulo precisou, faltou-lhe um defensor público, mas para nós, o nosso defensor está no céu, bastando que lhe peçamos a ajuda. Lance mão desse recurso, é um direito provido pelo Senhor.

Os comentários estão encerrados.