Meditação diária de 18/08/2019 por Flávio Reti – Asher Zvi Hirsch Ginsberg
18/08/2019
Quebrando o Silêncio 2019
19/08/2019

Meditação diária de 19/08/2019 por Flávio Reti – Bernard Mannes Baruch

19 de agosto

Deuteronômio 8:3  “…para te dar a entender que o homem não vive só de pão, mas de tudo que sai da boca do Senhor…”

Bernard Mannes Baruch

Muitas são as pessoas que aplicam dinheiro nas bolsas de valores de todo mundo. Alguns fazem fortunas incalculáveis e outros caem na miséria mais sórdida. O ambiente das bolsas não é praia para qualquer um sem experiência e sem conhecimento de mercado. Bernard Mannes Baruch foi um grande especulador da bolsa, financeiro e chegou a ser do presidente americano. Na década de 60 quando os Estados Unidos e a Rússia viviam se alfinetando um ao outro e o mundo vivia com o fôlego suspenso com medo de uma terceira guerra mundial, porque se falava de um botão vermelho na mesa do presidente que bastaria apertar e o mundo seria destruído sete vezes, Bernard Baruch cunhou a expressão “guerra fria” se referindo ao ambiente mundial de tensão diante de uma iminente guerra que até hoje ainda não veio. Os pais de Bernard eram alemães de origem judia que migraram para os Estados Unidos em 1855, não por causa de nazismo, que ainda não existia, mas para servir como médicos na guerra civil americana. Ele tinha parentes por parte de mãe que também migraram para os Estados Unidos para se aventurar nos negócios de navegação. Praticamente a família toda deixou a Alemanha para se aventurar na América. Depois de terminar seus estudos em Nova York, Baruch começou a trabalhar em Wall Street e chegou a ser “broker” (aquele que intermedeia a compra e venda de ações) e pouco tempo depois a “partner” (sócio de uma empresa corretora) em uma empresa de Nova York. Com 30 anos de idade ele já era dono de uma fortuna especulando no mercado de açúcar. Logo mais ele passou a ser dono de sua própria corretora e ganhou o apelido de “Lobo solitário de Wall Street” por se recusar a ser sócio de outras corretoras financeiras. O jovem Baruch desenvolveu tamanha habilidade em assuntos financeiros que foi convidado a servir de conselheiro dos presidentes Woodrow Wilson e de Franklin Delano Roosevelt. Seu nome quase tinha a palavra dinheiro (Mannes/Money) em Inglês.  Eu não sei se algum dia ele conheceu o evangelho de Jesus e se tomou conhecimento de que “não adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e no final perder a sua alma” (Luc.9:25) ou se algum dia ele leu o verso lá do alto desta página afirmando que “nem só de pão vive o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus”.

Seria bom pensar um pouco que as palavras de Jesus não se aplicam somente a quem é rico, porque há muitos pobres ávidos por tudo que o mundo oferece e sequer tomam conhecimento de que essa vida é passageira, que é melhor escolher Jesus do que todas as riquezas deste mundo. Um dia Jesus vai levar para o céu todos os seus filhos e o mundo que agora existe está fadado à destruição com o fogo refinador do final. Uma boa pergunta a fazermos é a seguinte: Onde estarei eu naquele dia final?

Os comentários estão encerrados.