Meditação diária de 18/04/2019 por Flávio Reti – Hippolyte Leon Denizard Rivail
18/04/2019
Comentários da Lição 3 (2o Trim/2019) por Classe ECC
19/04/2019

Meditação diária de 19/04/2019 por Flávio Reti – Albert Hofmann

19 de abril

Jeremias 29:11  “Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor, planos de paz e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança”

Albert Hofmann

Pense numa droga eficiente, pesada, elogiada e amaldiçoada que esse camarada desenvolveu. Albert Hofmann é o criador da droga chamada LSD (Dietilamida do ácido licérgico), infelizmente hoje mal usada para dopar e levar à alucinação os jovens incautos.  Ele estava trabalhando com fungos, isolando seu princípio ativo, querendo descobrir uma substância que estancasse o sangramento em mulheres depois do parto e acabou sintetizando uma substância a que deu o nome de ácido licérgico e foi acrescentando diferentes aminas até que surgiu a Dietilamida do ácido licérgico, o LSD. Só pelo fato de uma parte da substância lhe cair no braço, Hofmann já sentiu o efeito pela absorção na pele, um certa alucinação que o obrigou a interromper o que estava fazendo. Futuramente ele voltou à experiência e fez a mesma coisa de propósito e soube, então, que havia descoberto alguma coisa excepcional que passou a ser usada para tratar alcoolismo e dificuldades sexuais. Aconteceu que a droga se popularizou e pessoas passaram a usá-la para sentir a chamada “viagem” e veio a completa proibição mesmo para uso científico, foi então que Hofmann escreveu um livro sobre a droga chamando-a de meu filho problemático e dentro do livro há a seguinte frase: Eu produzi a substância como um remédio, não é minha culpa se as pessoas abusavam dele”. Hofmann morreu em 2008 lutando para que seu “filho” bioquímico fosse reconhecido como um potente analgésico para pacientes terminais com doenças dolorosas que tratados com outras drogas sofrem mais ainda com o efeito tóxico, e segundo ele, isso não ocorre com LSD, apenas alucinações, mas nunca doloridas e nem tóxicas. Agora pense um pouco: Ele criou sua droga com a mais pura das intenções, queria dela bons resultados, e a viu sendo usada para descaminho de jovens no mundo inteiro. Certamente não era essa sua vontade e logicamente ele se frustrou muito com isso. Não lhe parece a mesma coisa com as obras criadas por Deus? Deus criou nossa terra bela e com bons propósitos e pôs nela o homem também recém criado, cercou-o de beleza e de pureza ambiental, mas em pouco tempo viu o efeito do pecado se alastrando na terra pondo a perder a humanidade que havia ciado. Deus deve ter se ressentido muitíssimo com o resultado que deram à sua criação. Albert Hofmann morreu com 102 anos e não viu a reversão do que fizeram com sua criação. Nosso mundo já passou dos 6.000 anos e Deus também ainda não viu a reversão do que fizeram com a terra. Mas, Jesus está vindo aí, não vai demorar, e nós veremos um novo céu e uma nova terra renovada de volta à perfeição em que fora criada. O plano de Deus é levar o homem de volta à perfeição em que fora criado e para isso ele vem trabalhando através do evangelho para convencer a humanidade a aceitar esse processo de volta ao Éden restaurado. Tudo de mal que conhecemos aqui, lá não mais existirá. É isso que significa a palavra céu.

Os comentários estão encerrados.