Meditação diária de 17/12/2017 por Flávio Reti
17/12/2017
Meditação diária de 19/12/2017 por Flávio Reti
19/12/2017

Meditação diária de 18/12/2017 por Flávio Reti

18 de dezembro
Dia do museólogo

Jeremias 6:16   “Assim diz o Senhor: Ponde-vos a caminho e vede, perguntai pelas veredas antigas, qual é o bom caminho e andai por ele e achareis descanso para vossa alma…”

Quem pensa em museu, pensa em coisa velha, em quinquilharia, coisa velha empoeirada, uma etiquetinha em baixo falando da origem e vai passando e saindo com coceira no nariz por causa dos fungos. Mas dentro de um museu está uma pessoa importante, o museólogo, o profissional responsável pela preservação da memória e da identidade o país. Nas suas mãos estão confiadas muitas obras de arte, tesouros incalculáveis para preservar a história de um povo. E tem mais, os museus vem ganhando força como espaços necessários na construção da cidadania. Com base no trabalho dos museólogos os museus estão ganhando referência na cultura nacional. O Ministério da Cultura apoia os projetos que fortalecem os museus e o papel do museólogo é imprescindível. Os museólogos fazem parcerias com outros museólogos de outros países e fazem também intercâmbio de obras raras para visitação e conhecimento do público. Colocam as obras on line para o mundo inteiro apreciar. Impossível existir um museu sem um profissional museólogo.

O museu mais famoso, no Brasil, é o museu da independência, localizado em São Paulo, e segundo nos contam, foi nesse local que Dom Pedro sacou da espada e deu o famoso brado pela liberdade do país: “Independência ou morte”! Hoje, estamos a uma semana do Natal, motivo de festa, é tempo de festa e, então, vamos incluir os museus nas comemorações e fazer festa com eles. Afinal, eles têm guardado uma tremenda cultura para aqueles que os visitam.

Mas museu traz, sim, uma lembrança de coisas antigas. É próprio deles, é sua função preservar as antiguidades para reconstruir a história. Assim como a bíblia, que alguém disse que é coisa de museu, também tem muita história para nós aprendermos. Tem a história da criação, do salvamento da família de Noé do dilúvio, história da formação do povo de Israel, a história do êxodo do Egito para a terra de Canaã, depois a história dos juízes, dos reis, do exílio em Babilônia e da vinda de Jesus. Ela aprofunda ainda mais, contando a formação da igreja primitiva, o avanço do evangelho pelas terras romanas e, como nenhum museu pode fazer, ela nos fala de futuro, da tribulação dos últimos dias, da vinda de Jesus com glória e majestade, da entrada na Nova Jerusalém celestial e da vida imortal, eterna na presença de Jesus e de seus anjos. Nossa bíblia é muito mais que um museu e o orientador de tudo muito mais que um exímio museólogo. Os museus guardam relíquias que comprovam toda essa história, essa saga do povo de Deus. Aqui mesmo, no UNASP-EC temos um museu que contém amostras preciosas dos tempos bíblicos, peças raras que comprovam a veracidade da palavra de Deus como está na nossa bíblia.

Por vezes, nosso coração se transforma num grande museu para guardar mágoas, dissabores e arrependimentos, tristezas como se tudo isso fosse de interesse público para visitação, como fazem nos museus normais. Acontece que esse tipo de museu que guarda rancores e coisas feias não são de interesse público e nosso coração museu acaba ficando trancado sem promoção e sem visitação. Não precisa ser assim, podemos modernizar nosso coração, embelezar e expandir nosso museu que pode ser um museu de céu aberto, onde ninguém paga entrada e onde a visitação é gratuita. “Não precisamos guardar nosso próprio registro das provas e dificuldades, dos desgostos e tristezas. Todas essas coisas estão escritas nos livros, e o Céu tomará o cuidado delas. Enquanto relembramos as coisas desagradáveis, passam da memória muitas que são gratas à reflexão, como a misericordiosa bondade de Deus que nos rodeia a cada instante e o amor, de que os anjos se maravilham, com que deu Seu Filho para morrer por nós” (Ciência do Bom Viver, p.487). No céu não haverá museus, posso afirmar, porque a bíblia assim o diz: “Eis que crio novos céus e nova terra e não haverá lembrança das coisas passadas, nem mais se recordarão” (Is.65:17). No céu não haverá lembrança de sofrimento, de angústia, de pecado, porque tudo se fará novo. Tudo que diz respeito a esta terra será apagado da lembrança. Graças a Deus por isso. Cada dia mais me convenço de que eu preciso ir para o céu e para tal eu preciso me preparar com a ajuda do Espírito Santo de Deus e com a graça provida por Jesus. Quero ver os novos céus e a nova terra que estão sendo preparados para nós, os filhos de Deus.

Os comentários estão encerrados.