Novo Encontro (18/08/2019) com o Prof. Moises Sanches Jr.
17/08/2019
Meditação diária de 19/08/2019 por Flávio Reti – Bernard Mannes Baruch
19/08/2019

Meditação diária de 18/08/2019 por Flávio Reti – Asher Zvi Hirsch Ginsberg

18 de agosto

Apocalipse 1:7  “Eis que vem com as nuvens e todo olho o verá, até mesmo aqueles que o traspassaram”

Asher Zvi Hirsch Ginsberg

O nome que ele adotou, Ahad Há ‘ram, significa em hebraico literalmente “alguém deste povo”. Mas ele nasceu na Ucrânia e morreu na Palestina. Foi filósofo, ensaísta e se destacou como um pensador sionista mesmo antes da criação do Estado de Israel que ocorreu em 1947 através de uma resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas que recomendava a recriação do Estado de Israel e a partilha da Palestina. Imediatamente após a resolução da ONU, começou no mundo um movimento denominado Sionismo, que nada mais era do que uma conclamação dos judeus do mundo inteiro para voltar a Sião. Ele como jornalista teve grande influência na mente dos judeus e dos não judeus na preparação para as negociações que levaram a ONU a tomar esse voto. Ele acabou ficando conhecido como o criador do Sionismo. Sua visão era que criando uma comunidade espiritual para o povo de Israel em Jerusalém isso unificaria o povo e lhes comunicaria um espírito de civismo nacional. Ele raciocinava que deveria unir os judeus espiritualmente primeiro e depois unir os problemas financeiros e políticos. Um Estado judeu, pensava ele, espiritualmente unidos, e não apenas um Estado de judeus juntos por interesse financeiro ou político. Após o voto da ONU, judeus do mundo inteiro começaram um movimento de âmbito mundial de volta para Sião para recriar o Estado de Israel. Lá voltando encontraram os árabes ocupando a terra que eles chamaram de Palestina e aí começaram os problemas que se arrastam até hoje e não se vê solução à vista. Reunir os judeus na terra até que é possível, mas fazê-los conviver com os palestinos é mais difícil, porque o judeu é muito exclusivista. Ele pode nascer em qualquer lugar do mundo e se lhe perguntarem qual sua nacionalidade ele vai dizer que é judeu. Se nasceu no Brasil, ele será judeu-brasileiro, se nasceu na Rússia, ele é judeu-russo. Primeiro ele é judeu e depois brasileiro ou russo.

Jesus também reclamou da dificuldade de reunir os judeus. Encontramos no Evangelho de Mateus (23:37) Jesus se lastimando por querer reunir os judeus em torno de um objetivo comum e eles não quiseram, pelo contrário, rejeitaram o messias que lhes foi enviado da parte de Deus para salvar os pecados deles e do mundo. A honra que seria deles de ser a nação a receber o enviado dos céus foi banalizada e deixada de lado. O Messias veio, viveu entre eles, foi morto e ressuscitado, mas eles não fizeram caso, e por conseguinte até hoje eles não acreditam que o Messias já veio. Já está quase nos dias de Jesus retornar do céu para buscar o seu povo e eles continuam aguardando a primeira vinda do Messias. E o que dizer de nós? Admitimos que Cristo veio, morreu por nós e está para voltar novamente a fim de reclamar os seus? A igreja também está lutando para reunir as pessoas em torno de um objetivo comum, preparar-se para a volta de Jesus e está sendo difícil. Poucos são os que o esperam para a salvação. Que tal você? Você tem consciência da iminente volta de Jesus?

Os comentários estão encerrados.