Igreja do UNASP-HT celebra ceia espiritual
16/12/2017
Meditação diária de 18/12/2017 por Flávio Reti
18/12/2017

Meditação diária de 17/12/2017 por Flávio Reti

17 de Dezembro
Dia do presbítero (do presbiteriano)

I Timóteo 5:17    “Os presbíteros que governam bem sejam tidos por dignos de duplicada honra, especialmente os que labutam na pregação do evangelho”

Ao ouvir a palavra presbítero, de pronto nos vem à mente a Igreja Presbiteriana que costuma chamar seus auxiliares, como o ancião, o diácono, o próprio pastor, de presbítero. Essa palavra começa a ser conhecida com os apóstolos, especialmente nos escritos de Pedro e Paulo. Eles fundavam igreja e depois instituíam um responsável, ou um auxiliar, que ficasse cuidando da igreja recém formada e iam adiante, fundando outras. Paulo escrevendo a Tito, pede-lhe que estabeleça presbítero em cada cidade (Tito 1:5). Também, na ausência dos apóstolos, em caso de necessidade, de doenças, deveriam chamar os presbíteros (Ti.5:14) para orar pelo doente. Pedro roga aos presbíteros que ajude a apascentar o rebanho de Deus, o crentes recém convertidos (I Ped.5:1, 2). As primeiras igrejas do Novo Testamento foram governadas por presbíteros eleitos pela comunidade. A reforma protestante de 1517 restaurou essa função, esse modelo bíblico, uma vez que esse ofício cristão, no seu modo original, se perdeu durante a Idade Média. Atualmente se dá preferência para a palavra ancião, em lugar de presbítero, mas com as mesmas funções, o mesmo cargo e as mesmas responsabilidades.  Em todas as igrejas, o ancião é o auxiliar imediato do pastor titular e divide com ele as responsabilidades da condução da igreja. O presbítero, ou o ancião, para exercer sua função recebe da igreja uma ordenação e daí para frente cabe a ele, juntamente com o pastor, exercer o governo e a disciplina, zelar pelos interesses da igreja a que pertence e zelar também da comunidade. Assim, essa lembrança com um dia dedicado aos presbíteros é até justa e faz muito sentido.

Observe a maneira como Pedro se dirige aos presbíteros: “Aos presbíteros que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar: apascentai o rebanho de Deus que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho. E, quando aparecer o Sumo Pastor, alcançareis a incorruptível coroa de glória” (I Ped. 5:1-4). E Paulo, nas suas instruções, que são postas na administração da igreja, diz: “Não aceiteis acusação contra o presbítero, senão com duas ou três testemunhas.” I Tim. 5:19. Aquele que pôs sobre os homens a pesada responsabilidade de chefes e instrutores de Seu povo, responsabilizará o povo pela maneira por que tratam os Seus servos. Devemos honrar aqueles a quem Deus honrou. O juízo que caiu sobre Miriã deveria ser uma repreensão a todos os que se entregam à inveja, e murmuram contra aqueles sobre quem Deus põe o encargo de Sua obra” (Patriarcas e Profetas, p. 386). Presbiterado ou ancionato são palavras novas para uma função antiga. Os primeiros presbíteros foram os anciãos mencionados muitas vezes no Antigo Testamento. Lembra do êxodo? Lá Moisés chama muitas vezes “os anciãos de Israel” (Ex.3:16), “anciãos do povo” (Êx.19:7) e “anciãos da congregação” (Lev.4:15). Aqueles homens tinham a função de liderança juntamente com Moisés e Arão e participavam de tudo que acontecia no arraial. Eram escolhidos pela sua sabedoria, pela sua maturidade e pela inteligência aos resolver conflitos. Eles também deveriam proteger o povo, praticar a disciplina, ajudar a cumprir a lei dada por Deus e, quando necessário, exercera justiça também. Esse é o modelo que nos advém para os anciãos de hoje ou para os presbíteros de hoje. As primeiras igrejas do Novo Testamento logo começaram a ser governadas por presbíteros eleitos pelas comunidades. No livro de Atos dos Apóstolos, nós os vemos administrando recursos materiais, julgando questões doutrinárias e resolvendo conflitos. Atos 14.23 é a primeira passagem que fala sobre a instituição de presbítero em igrejas locais. Fica claro que o apóstolo Paulo seguia essa prática nas igrejas que estavam sob sua responsabilidade (Tit. 1.5). Na valiosa passagem de Atos 20.17-35, os presbíteros são instruídos acerca do significado e das atribuições do seu nobre ofício. A grande relevância do ancionato cristão também é ressaltada em textos como 1 Timóteo 3.1-7 e 1 Pedro 5.1-4 e deve ser vista hoje como uma grande responsabilidade na igreja e um enorme privilégio. Se você tem algum cargo na igreja, você é um dos muitos privilegiados. Vamos trabalhar para Deus, porque salvando os outros estamos salvando a nós mesmos.

Os comentários estão encerrados.