Meditação diária de 16/08/2020 por Flávio Reti – Para-raios
16/08/2020
Meditação diária de 18/08/2020 por Flávio Reti – Pen Drive
18/08/2020

Meditação diária de 17/08/2020 por Flávio Reti – Pasteurização

17 de agosto

Isaías 30:21  “E os teus ouvidos ouvirão a palavra do que está por detrás de ti dizendo: este é o caminho, andai por ele”

Pasteurização

O processo chamado de pasteurização para alimentos está ligado ao nome do francês Louis Pasteur, um químico criador do método. Basicamente, o processo é simples, consiste em aquecer o que se quer pasteurizar a uma temperatura de 65 graus por algum tempo e depois resfriar rapidamente a uma temperatura mais baixa do que a anterior ao aquecimento. Dessa forma os micro organismos patogênicos existentes não suportam a variação brusca de temperatura e acabam morrendo deixando o material livre deles. Próximo passo é vedar hermeticamente para evitar uma nova contaminação. O processo é usado não só no leite, mas com vários alimentos e remédios tais como cerveja, comida enlatada, ovos, sucos, vinho, bebidas gasosas e até com vinagre. A experiência de Pasteur se deu em 1864, mas no final do século XIX  um alemão técnico em agricultura, Franz von Soxhlet testou o método com leite in natura e obteve a comprovação de que o método era realmente eficaz e assim é até hoje, de modo que se descobriu um importante método de conservação dos alimentos e uma maneira higiênica para a preservação da saúde e para a preservar a qualidade dos alimentos. A pasteurização acabou sendo um grande passo dado pelo homem do século XIX no esforço de acabar com as infecções. Pasteur pesquisava por que o vinho e a cerveja azedavam e chegou ao seu método de pasteurizar que hoje é uma espécie de assepsia dos alimentos. Estendendo um pouco mais a experiência de Pasteur, os materiais cirúrgicos passaram a ser fervidos a fim de eliminar micro organismos infecciosos. Pasteur já sabia que a decomposição dos alimentos era causada por ação dos micro organismos e que o aquecimento poderia combatê-los se fosse aquecido e resfriado rapidamente dando um choque térmico. Às vezes, nós, seres humanos, nos comportamos como micro organismos patológicos que estragamos o ambiente onde estamos e nesses casos Deus precisa dar um “choque térmico” em nós para nos ensinar alguma lição. São aqueles momentos em que sofremos revezes na vida e não sabemos de onde vieram, mas pode muito bem ser nosso Deus por trás dos acontecimentos querendo nos salvar de coisas piores. O alimento aquecido e resfriado fica melhor depois de passar pelo processo, assim também nós podemos sair melhor depois de passar pelo processo preservador de Deus que a todos quer preservar para a eternidade. Como o alimento aceita o processo sem reclamar, que nós saibamos receber de Deus as correções da vida para sairmos também melhores.

Os comentários estão encerrados.