Meditação diária de 15/08/2017 por Flávio Reti
15/08/2017
Meditação diária de 17/08/2017 por Flávio Reti
17/08/2017

Meditação diária de 16/08/2017 por Flávio Reti

16 de agosto

Dia do filósofo

Colossenses 2:8    “Tende cuidado para que ninguém vos faça presa sua por meio de filosofias e vãs sutilezas, segundo a tradição dos homens, segundo os rudimentos do mundo e não segundo Cristo”

Filosofar não é sair por aí falando sozinho, porque o filósofo não é louco e nem desiquilibrado mentalmente.

Quando a gente vê pessoas falando sozinhas, logo a gente cochicha para o colega: “O cara está filosofando”, ou dizemos “O cara aí está recebendo visões”.  O filósofo estuda assuntos relacionados com a existência da vida, valores éticos e morais, discute o conhecimento, usa métodos de análise conceitual e argumentação lógica. Á filosofia é uma matéria tremendamente importante para a formação do pensamento. Os primeiros filósofos surgiram na Grécia e muitos deixaram o nome gravado na história para serem lembrados até hoje: Pitágoras, Tales, Aristóteles, Platão, Sócrates. Todos eles foram homens que inculcaram valores na sociedade onde viviam. Quem nunca ouviu a frase irônica de Rene Descartes, um filósofo mais moderno, na França, “Cogito, ergo sum” (Penso, logo existo)? Ele que marcou a diretriz do movimento Iluminista na Europa, ele que colocou a razão humana como a única razão da existência e única forma de existir. Se você quiser começar uma boa discussão filosófica, basta fazer as seguintes perguntas para começar: Quem sou Eu? Como devemos viver? Qual a coisa mais importante da vida? Pronto, já tem uma semana para pensar, discutir, opinar e dificilmente concluir.

A preocupação bíblica não é com a boa filosofia, aquela que espevita o pensamento lógico, que põe as pessoas para pensar seriamente, mas com aquilo que Paulo chamou de vã filosofia. Shakespeare usou essa expressão, vã filosofia, para criticar os que achavam que tudo que podemos compreender estava no pensamento. Não, o pensamento vai além do que nossos olhos podem ver. Shakespeare disse mais, “Existem mais coisas entre o céu e a terra do que nossa vã filosofia pode imaginar. A filosofia e a religião nos levam a pensar além do que vemos.

Mas porque pensamos além do que vemos, não podemos nos colocar além de Deus, acima de Deus, sair do nosso status de homem mortal e se julgar ou se achar já na glória. Há momentos que nós pensamos coisas lógicas, mas todos têm momentos de pensamentos atravessados e obtusos, sem sentido e sem lógica, que nos fazem parecer tolos. Achar-se acima de Deus para decidir e fazer é um deles. “Ora, alguns filósofos epicureus e estoicos disputavam com ele (Paulo). Uns diziam: Quem é este paroleiro? E outros: parece ser pregador de deuses estranhos, pois anunciava a boa nova de Jesus e a ressurreição” (At.17:18). A filosofia de Epicuro girava em torno da ideia de que o prazer é o único bem na vida. Ele advogava a aproveitar o máximo do prazer durante a vida. Já os estoicos consideravam má qualquer emoção, (amor, ódio, piedade) eram os vícios da alma. Os sentimentos externos tornam o homem um ser irracional. Coisas do pensamento grego e que atrapalhavam Paulo na sua pregação que queria dar conhecimento da pessoa de Jesus Cristo e encontrava resistência na filosofia Grega. Pergunta-se: Onde está sua resistência quando tem a ver com Jesus Cristo, seu reino, sua missão, sua filosofia de vida, a esperança que ele nos deu, a promessa de céu, a perspectiva de vida eterna? Tem condição de discutir? São filosofias?

A experiência do apóstolo Paulo ao defrontar-se com os filósofos de Atenas encerra uma lição para nós. Ao apresentar o evangelho no Areópago, Paulo enfrentou a lógica com a lógica, ciência com ciência, filosofia com filosofia. Os mais sábios de seus ouvintes ficaram atônitos e emudecidos. Suas palavras não podiam ser controvertidas. Pouco fruto, porém, produziu seu esforço. Poucos foram levados a aceitar o evangelho. Daí em diante Paulo adotou uma maneira diferente de trabalhar. Evitava os argumentos elaborados e as discussões de teorias e, em simplicidade, encaminhava homens e mulheres a Cristo com o Salvador dos pecadores” (CBV. P.214). Qual seu método de apresentar o evangelho, você gosta de discutir ou gosta de filosofar? Cada um define como vai pregar, mas todos devem pregar, afinal, o mundo inteiro deve conhecer a Jesus e sua salvação. 

Os comentários estão encerrados.