Meditação diária de 15/03/2020 por Flávio Reti – Cavadeira
15/03/2020
Meditação diária de 17/03/2020 por Flávio Reti – O celular
17/03/2020

Meditação diária de 16/03/2020 por Flávio Reti – CD Player

16 de março

Provérbios 19:20  “Ouve o conselho e recebe a correção, para que sejas sábio nos teus últimos dias”

CD Player

Todo mundo vivia contente ouvindo músicas gravadas nos discos de vinil, chamados carinhosamente de bolachões, mas só ouviam e ninguém gravava nada. Ninguém achava falta de nada, todos ouviam e se deliciavam com a tecnologia das gravações em discos de vinil, ou embonite, até que uma empresa Holandesa chamada Philips desenvolveu, em 1963, e pôs no mercado, a fita cassete que poderia servir para ouvir o que já vinha gravado e também poderia vir sem nada, virgem como diziam, para o usuário gravar o que queria. Foi o auge do sucesso. O processo de gravação que sempre foi possível apenas dentro das grandes gravadoras, agora estava aberto a qualquer um que desejasse e que tivesse um gravador de fita cassete, também abreviado para K7. Elas podiam conter 90 minutos de música de cada lado e só tinha o inconveniente de precisar ser rebobinada e de vez em quando a fita arrebentava e o jovem perdia tudo. E as fitas K7 dominaram ainda mais com o advento dos aparelhos Walkman, que era um reprodutor portátil que podia ser levado para qualquer lugar e ser acionado com pilhas, era o máximo da rapaziada. Mas, ainda na década de 90, as fitas k7, os walkmen e outros dispositivos foram caindo em desuso e dando lugar a mais nova tecnologia, o CD. Com o advento dos computadores pessoais, também era necessário uma mídia pessoal e o CD foi a saída magistral com capacidade para 700 megabytes de dados, com qualidade muito superior a das fitas, com mais vida útil, podia pular de faixa em segundos. Aproveitando o potencial da computação, o CD cedeu espaço para o DVD que agora podia gravar e reproduzir imagens também. Era só o que faltava para os amantes de filmes que só eram vistos nos cinemas e que agora também seriam portáteis e reproduzidos em qualquer computador. Até a nossa Casa Publicadora Brasileira aproveitou a onda para promover os CD e DVD do hinário Adventista usados ainda hoje com muita qualidade. Mas o CD e o DVD já estão ficando para trás, porque hoje tudo se processa não em uma mídia externa, mas se processa dentro dos computadores, dentro dos smartfones e a gente não sabe até onde irá esse avanço tecnológico que estamos vendo e que é uma realidade indiscutível. Você percebeu como as mudanças de tecnologia passaram rápido? Outras estão vindo por aí e que vão mudar ainda mais a cara do nosso mundo. Eu pus um telefone no ouvido pela primeira vez com 17 anos, em 1962 e confesso que senti vergonha de falar naquilo perto das pessoas. Era estranho pra mim falar numa máquina, porque era semelhante a um armário preso na parede. A vida está mudando e seu preparo para o céu, como anda? Vem também evoluindo ou está regredindo? Deus sabe de tudo!

Os comentários estão encerrados.