Meditação diária de 15/02/2020 por Flávio Reti – Bomba Atômica
15/02/2020
Meditação diária de 17/02/2020 por Flávio Reti – Bomba de Concreto
17/02/2020

Meditação diária de 16/02/2020 por Flávio Reti – Bomba d’agua

16 de fevereiro

João 12:32  “E eu, quando for levantado da terra, atrairei todos a mim”

Bomba d’agua

Na nossa cabeça a água sempre corre para baixo, ela nunca sobe. Mas os homens são geniais e criam recursos pra fazer a água subir muitos metros. Em 1707, quando o padre Bartolomeu de Gusmão estava no seminário, localizado no alto de uma elevação, em Santos, o abastecimento de água era precário, feito com latas e baldes na cabeça, trazida de um pântano lá embaixo. O seminarista Bartolomeu percebendo a dificuldade, criou um mecanismo capaz de elevar a água do pântano até o reservatório do seminário através de canos com muito sucesso e considerado a maior invenção que um seminarista pudesse ter inventado. Desde esse momento ele passou a ser conhecido como o padre inventor e não mais o “padre voador” como era conhecido. Ele requereu a patente de seu invento para puxar água de qualquer lugar para qualquer altura e essa foi a primeira patente de invenção já outorgada a um brasileiro, em 27 de março de 1707. De lá para cá os sistemas de bombeamento de água já evoluíram muito e vamos encontrar ainda no mercado as bombas movidas a vento, as bombas que funcionam com a diferença de nível da entrada de água até a bomba (chamadas carneirinho), bombas de pistão, bombas centrífugas e deve haver mais. Eu me lembro de ter visitado um sítio certa vez e lá eu vi um poço que não tinha corda para tirar água. Era uma corrente numa manivela chamada de sarilho que tinha uma polia dentada que fazia um loop com a corrente descendo até o fundo do poço e subindo por dentro de um cano e por incrível que pareça, a corrente trazia água de lá do fundo, uns 15 metros. Os Espanhóis registram a presença de uma bomba movida a vapor desenvolvida em 1606 para drenar a água que inundava as minas de carvão de Gualdalcanal, desenvolvida por Jerónimo de Ayanz. Uma bomba, explicando a grosso modo, é uma máquina que tem a propriedade de criar uma pressão suficiente para transportar líquidos, empurrando o líquido ou sugando o líquido. Enquanto escrevia, fiquei pensando na expressão “empurrando ou sugando o líquido” e pensei imediatamente no trato de Deus com as pessoas. Como Deus não força a vontade de ninguém, eu posso dizer que ele não empurra ninguém. Mas como ele atrai as pessoas pelo seu amor, eu posso comparativamente dizer que ele “suga” as pessoas para perto de si. Está aí uma coisa que compensa saber, que Deus não força ninguém, mas a todos atrai. Jesus disse que quando ele fosse levantado ele atrairia todos a ele.

Os comentários estão encerrados.