Meditação diária de 14/12/2017 por Flávio Reti
14/12/2017
Programação da igreja sofrerá alteração no fim de ano
15/12/2017

Meditação diária de 15/12/2017 por Flávio Reti

15 de Dezembro
Dia do jardineiro

 

João 20:15   “Perguntou-lhe Jesus: Mulher, por que choras? A quem procuras? Ela, julgando que fosse o jardineiro, respondeu-lhe: Senhor, se tu o levaste, dize-me onde o puseste e eu o levarei”

Se por acaso você está pensando que jardineiro só mexe com flores, devo dizer que você se enganou. Já viu os grandes gramados dos campos de futebol? É um jardineiro quem cuida deles. Já viu as praças das cidades, com árvores e arbustos? É um jardineiro quem cuida da praça. A gente tem a impressão de que o jardineiro só vive com um buquê de flores na mão, uma fitinha amarrando as flores, uma bombinha pulverizando água nas flores e por aí. Mas a vida de um jardineiro é bem outra. Ele tem que pegar na enxada para afofar a terra onde vai plantar as mudas de flores, ele tem que pegar um machado e cortar árvores, pegar uma chibanca para arrancar troncos velhos, tem que usar uma serra para podar plantas maiores e tem a compensação também, quando colhe as flores, quando recebe elogios pela beleza que produziu ele sente a satisfação de ser um jardineiro que alegra a vida de muita gente. O Jardineiro aduba a terra, semeia, poda, corta, conduz, limpa, cuida do seu jardim e em seu cotidiano, aprende a lidar com fatos que não pode controlar como, fazer chover, fazer brotar, frutificar, florir, parar de chover, de ventar, de gear, eliminar as ervas daninhas que teimam em aparecer… Aprende a esperar o tempo que cada semente precisa para brotar, reconhece as diferenças que existem em cada planta, aprende a aceitar a natureza da Natureza e das coisas como são. E assim, o “Jardineiro” à medida que aprende a zelar por seu jardim, ele se realiza em “ser-Jardineiro”.

Rubens Alves, um dos poetas Brasileiros, escreveu o seguinte: “O Que se encontra no início? O Jardim ou o Jardineiro? Havendo um Jardineiro, mais cedo ou mais tarde, um Jardim aparecerá. Mas havendo um Jardim sem Jardineiro, mais cedo ou mais tarde ele desaparecerá. O que é um Jardineiro? Uma pessoa cujo pensamento está cheio de Jardins”. Muitas pessoas, especialmente mulheres, têm uma vontade oculta de ser jardineiro, ou jardineira, de mexer com a terra, atolar os pés e as mãos na terra, sentir o calor do adubo fermentando, o frio da água aspergida, sentir o cheiro das plantas, seguir as estações do ano, ver o sol e a chuva, depositar a semente e esperar brotar até ser uma planta com flores, símbolo da vida que floresce.

Mas ser jardineiro também tem surpresas, armadilhas. É muito bonito ver plantas surgirem e crescerem, mas de repente elas murcham, se curvam e caem para morrer e entrar no esquecimento. Uma boa comparação com nossa vida. Nascemos, depois de longa espera, e crescemos, ficamos jovens e estamos na flor da vida, como dizem. Produzimos outras flores, nossos filhos, e quando pensa que não, já vamos curvando, murchando e morremos como morre a flor do jardineiro. A vida é efêmera e não nos damos conta disso, senão quando pressentimos o frio regelante do inverno eterno chegando até nós. O profeta Isaías tinha essa consciência da efemeridade da vida ao dizer “Seca-se a erva, murcha a flor, mas a palavra de nosso Deus subsiste para sempre” (Is.40:8). E daí, o que fazer? Deixar nas mãos do jardineiro que saberá, mais do que ninguém, cuidar dos restos mortais da planta da nossa vida. Felizmente, para nós existe esperança, existe uma promessa de ressurreição, por ocasião da volta de Jesus. Quando aqui viveu, Jesus olhava os aflitos, os desalentados, os moribundos, qual flores murchando, e com um toque de celeste na voz convidava a todos para buscar nele o descanso, a confiança, a esperança de um dia eterno. Se formos flores do jardim do Senhor, se permitirmos que ele seja nosso jardineiro mor, a flor da nossa vida será por ele cuidada porque ele mesmo disse “Eu sou a ressurreição e a vida, quem crê em mim, ainda que morra, viverá, e todo aquele que vive e crê em mim jamais morrerá. Crês, tu isto?” (Jo.11:25, 26).

Essa vida é muito incerta, é como a planta de um jardineiro, como a flor que murcha e cai. A gente não entende porque tantas pessoas se apegam tanto a esta vida a ponto de olvidar a vida eterna disponibilizada por Jesus e oferecida gratuitamente. Já vai alto o tempo de lançar mão desta oportunidade e viver para Deus, nas mãos do jardineiro chefe, o que cuida do jardim combalido desta terra. É a sua oportunidade, e é agora.

Os comentários estão encerrados.