Meditação diária de 14/07/2020 por Flávio Reti – Máquina a vapor
14/07/2020
Culto de Oração às 19h / Ao vivo
15/07/2020

Meditação diária de 15/07/2020 por Flávio Reti – Máquina de Costura

15 de julho

I Tessalonicenses 4:17  “… e assim estaremos para sempre com o Senhor”

Máquina de Costura

Pare e imagine como deveria ser o trabalho das mulheres quando tinham de prender juntas as partes que compunham uma peça de roupa. Provavelmente era tudo feito à mão, com uma agulha enorme, cansando a vista, porque ainda não existiam óculos de grau e nem um fio tão fino e forte para costurar as peças. Agora imagine a alegria das mulheres quando souberam da invenção de uma máquina que costurava e que aposentaria o milenar trabalho manual de fazer roupas. A máquina inicialmente era muito simples, era algo movido a manivela que enfiava e tirava uma agulha levando uma linha que era laçada por outra linha a cada passagem pelo tecido enquanto a operadora movia a manivela e ao mesmo tempo empurrava o tecido para baixo da agulha e com muito cuidado para não enfiar o dedo embaixo da agulha. Depois a máquina evoluiu nas mãos de inventores inteligentes e adaptaram um pedal que fazia o papel da manivela e assim a máquina de costura perdurou por muitos anos. Só futuramente, com a descoberta da eletricidade e dos motores elétricos é que se pensou em adaptar um motor à máquina que já existia e daí a coisa melhorou e muito. Hoje as máquinas de costura ganharam o mundo e costuram de tudo, roupas, calçados, lonas para barracas, plástico e até telas de arame. E o ponto da costura também evoluiu, porque de um ponto simples que era um laço de um fio laçando outro numa costura reta, agora temos além do ponto reto, o ponto zigue-zague, ponto galoneira, ponto overloque, intraloque, ultraloque e até o ponto invisível. Ah! Ia me esquecendo, agora as máquinas costuram até com duas agulhas simultaneamente. Existem muitas versões variantes da versão básica, aquela primeira máquina inventada por Thomas Saint, em 1790, na Inglaterra. As máquinas modernas pregam zipers, pregam botões, chuleiam, caseiam, bordam também e até podem franzir o tecido, tudo isso em máquinas domésticas, nem é preciso ver isso numa fábrica de roupas. O que se pode dizer é que as máquinas melhoraram e aumentaram em muito a eficiência na produtividade de roupas nas indústrias. Minha atenção se volta para o trabalho que a máquina de costura faz: unir partes diferentes de um roupa fazendo delas juntas uma só peça. Manga, gola, corpo separados são pedaços de tecidos, juntos e costurados são uma camisa que vai vestir o fulano. Uma boa metáfora para comparar a igreja de Jesus que é formada por pessoas diferentes, culturas diferentes, costumes diferentes, mas juntos somos a igreja que aguarda a breve volta de Jesus para vivermos juntos no céu.

Os comentários estão encerrados.