Meditação diária de 13/08/2020 por Flávio Reti – Papiloscopia
13/08/2020
Culto Sábado 15/08
14/08/2020

Meditação diária de 14/08/2020 por Flávio Reti – Parafuso de Arquimedes

14 de agosto

Hebreus 4:7  “Hoje, se ouvirdes a sua voz, não endureçais o vosso coração”

Parafuso de Arquimedes

Visitando uma grande fábrica de polpas de frutas, eu pus especial atenção ao que fiquei sabendo que se chama parafuso de Arquimedes. O caminhão trazendo as frutas chegava e descarregava de uma vez dentro de um enorme tanque com água preparada para esterilização e lavagem. De dentro daquele tanque, de forma inclinada, surgia o tal parafuso de Arquimedes e automaticamente levava as frutas para o andar superior onde eram trituradas e transformadas em polpa. É uma máquina simples que realmente se parece com um parafuso feito de uma rosca sem fim assentado num plano inclinado e ao girar, manual ou mecanicamente, ele eleva para cima tudo que estives dentro de sua rosca. Se você olhou dentro de uma máquina manual de moer carne, muito comum nas fazendas e nas casas do interior, o princípio é aquele de, ao girar, empurrar a carne até as lâminas que cortam em minúsculos pedacinhos. Quando você for a uma oficina mecânica, observe aquele elevador de carros para o mecânico entrar por baixo do carro. É o mesmo princípio, o parafuso vai rodando e elevando o carro até um ponto onde ele é desligado e o carro para lá no alto. Na antiguidade seu uso foi muito conhecido no bombeamento de água, nos sistemas de irrigação e os romanos usaram para retirar água das minas de carvão e de outros minérios, os holandeses utilizaram acoplados aos moinhos de vento e podem também ser usados, ainda hoje, para bombeamento de lamas, esgotos e outros sólidos, na realidade, qualquer coisa que precise ser elevada para um outro nível. Se você for ao Rio de Janeiro e visitar a Avenida Atlântica em Copacabana, lá existem algumas bombas se utilizando do parafuso de Arquimedes para bombear o esgoto para o emissário de Ipanema. É um mecanismo bastante antigo que vem sendo ainda utilizado para transportar materiais de um nível para outro. Trata-se simplesmente de uma rosca embutida em um tubo com a ponta mergulhada no material que vai transportar. Ao girar a rosca, o material entra pelo tudo e vai sendo empurrado para cima subindo ao longo do eixo até sair na parte superior. As brocas que furam o chão no inícios das construções usam o mesmo princípio, ao girar fazem subir a terra do buraco deixando o buraco pronto para a ferragem e o concreto. Agora pense: Qualquer material, para subir de nível, precisa ser empurrado pelo parafuso de Arquimedes. Será que nós, que queremos subir para o céu, vamos ter que ser empurrados também? Deus não trabalha assim desse jeito, ele não força a vontade, aliás, nos deu o direito de decisão, logo, importa que decidamos corretamente agora, ainda a tempo.

Os comentários estão encerrados.