Meditação diária de 13/01/2019 por Flávio Reti – André Pinto Rebouças
13/01/2019
Meditação diária de 15/01/2019 por Flávio Reti – Martin Luther King Junior
15/01/2019

Meditação diária de 14/01/2019 por Flávio Reti – Alexander Grahan Bell

14 de janeiro

Lucas 9:62  “Ninguém que lança mão do arado e olha para trás é apto para o reino de Deus”

Alexander Grahan Bell

Em 1876, dia 14 de janeiro, é indiscutivelmente um dia histórico, porque nesse dia Alexandre Grahan Bell dava entrada para registrar a patente da invenção do telefone. Talvez você pense em Grahan Bell como um americano, mas ele era escocês, nascido em Edimburgo. Seu avô era sapateiro, mas era também professor de educação da voz e foniatria. O pai dele, também inventor, havia criado um sistema de educação para surdos. Em 1873 Grahan Bell veio a ser professor de fisiologia vocal na Universidade de Boston e ganhando nome porque estava fazendo experiências com acústica e mirando a transmissão da voz eletricamente. Foi aí que ele acabou chegando no telefone e a primeira vez que ele conseguiu transmitir uma conversa de fato foi quando estava num quarto de um hotel na Filadélfia enquanto seu assistente estava noutro quarto no andar de baixo. De repente o telefone tilintou e Thomas Watson pegou o fone e ouviu a voz de Grahan Bell dizendo: “Watson, venha cá, preciso de você”. Pronto, estava inventado o telefone, de lá para cá foi só aperfeiçoamento. Hoje, qualquer aluno de educação básica consegue fazer um telefone que funciona realmente. Outras pessoas trabalhavam simultaneamente com o mesmo objetivo, inventar o telefone. Lembro aqui de Elisha Gray que também tentava, mas não conseguiu antes de Bell e parou no meio do caminho. Não muito tempo depois disso, em 1877, Bell criou a primeira companhia telefônica, a Bell Telephonic Company que se tornou mais tarde em AT&T (Telephone & Telegraph) a maior companhia telefônica do mundo. Se você não sabe, a primeira linha telefônica transcontinental foi instalada entre Nova York na costa leste dos Estados Unidos e São Francisco, na Califórnia, na costa Oeste, atravessando todo o país horizontalmente. E não pense que Grahan Bell se aposentou depois disso, não, ele continuou ativo nas suas invenções criando o fotophone, o audiômetro, a técnica de gravação fonográfica em chapas metálicas ou cilindros metálicos. No final da sua velhice ainda era o coordenador do Instituto Smithsonian, em Washington. Impressionou-me o fato de Elisha Gray ter parado no meio do caminho enquanto Bell avançou até o fim. Assim é a vida de muitos cristãos que começam e com o tempo deixam a igreja, deixam a caminhada rumo ao céu e no final não chegam a lugar algum. Quando foi que você ouviu falar de Elisha Gray? Acho que nunca!  O Mundo com todo seu sucesso pertence aos que vão até o fim, que não esmorecem pelo caminho. Quando o apóstolo Paulo escrevia ao jovem Timóteo, seu condiscípulo, ele escreveu o seguinte: “Se perseverarmos, com ele também reinaremos, se o negarmos, também ele nos negará” (II Tim.2:12). Está aí a dica para o sucesso, perseverança. E Jesus, na tentativa de ter um grupo de discípulos decididos, incólumes quanto à perseguição, incentivava-os com as palavras “aquele que perseverar até o fim será salvo” (Mat. 10:22). Perseverança é um atributo que todos nós podemos desenvolver, basta perseverar e se acostumar perseverando. O desânimo sempre foi para os fracos.

Os comentários estão encerrados.