1º Congresso Internacional de Arqueologia Bíblica
12/07/2017
Igreja IASP inicia Missão na Bahia
13/07/2017

Meditação diária de 13/07/2017 por Flávio Reti

13 de julho

Dia do cantor

Salmos 13:6    “Cantarei ao Senhor, porquanto me tem feito muito bem”

Eu ainda me lembro da minha professora Dayse no 3º ano do curso primário tentando ensinar a turminha cantar. Era aula de “canto orfeônico” e ela nos levou para um canto do pátio e vamos lá, vamos cantar. Eu nunca aprendi cantar, é mais ou menos como aquela fábula de Rubens Alves sobre Urubus e Sabiás.

“Tudo aconteceu numa terra distante, no tempo em que os bichos falavam… Os urubus, aves por natureza bicadas, mas sem grandes dotes para o canto, decidiram que, mesmo contra a natureza eles haveriam de se tornar grandes cantores. E para isto fundaram escolas e importaram professores, gargarejaram dó-ré-mi-fá, mandaram imprimir diplomas, e fizeram competições entre si, para ver quais deles seriam os mais importantes e teriam a permissão para mandar nos outros. Foi assim que eles organizaram concursos e se deram nomes pomposos, e o sonho de cada urubuzinho, instrutor em início de carreira, era se tornar um respeitável urubu titular, a quem todos chamam de Vossa Excelência. Tudo ia muito bem até que a doce tranquilidade da hierarquia dos urubus foi estremecida. A floresta foi invadida por bandos de pintassilgos tagarelas, que brincavam com os canários e faziam serenatas para os sabiás… Os velhos urubus entortaram o bico, o rancor encrespou a testa, e eles convocaram pintassilgos, sabiás e canários para um inquérito.

— Onde estão os documentos dos seus concursos? E as pobres aves se olharam perplexas, porque nunca haviam imaginado que tais coisas houvessem. Não haviam passado por escolas de canto, porque o canto nascera com elas. E nunca apresentaram um diploma para provar que sabiam cantar, mas cantavam simplesmente…
— Não, assim não pode ser. Cantar sem a titulação devida é um desrespeito à ordem.
E os urubus, em uníssono, expulsaram da floresta os passarinhos que cantavam sem alvarás…”

Hoje muitos urubus se consideram cantores, ainda que seja debaixo do chuveiro. Na profissão de cantor não basta apenas saber cantar uma musiquinha aqui e ali e já sair publicando que é cantor. Além do talento, há que se aprender técnicas vocais para a prática do canto. Pra isso existem escolas que oferecem cursos específicos que abordam essa prática. É desafiador viver de música numa área tão competitiva. Há a divulgação, há necessidade de uma banda ou uma orquestra, necessidade de transporte, de um assessor para controlar os contatos, os contratos, a agenda, há que se combater a pirataria e há a necessidade de sair do anonimato e mostrar a cara na Internet. Alguns se destacam (Roberto Carlos, Elvis Presley), mas outros são um arremedo de cantor. Gato sabe miar melhor do que muitos cantores sabem cantar.  Sempre que o coração está alegre surge a vontade de cantar. A gente se anima, tenta uma estrofe e a vontade passa. Assim é comigo, não sei de você. Encontramos na bíblia vários cânticos e vários cantores. Temos o cântico de Moisés logo que atravessou o Mar Vermelho, dizendo “O Senhor é minha força e o meu cântico” (Ex.15:2). Temos o cântico dos filhos de Israel enquanto atravessavam o deserto e chegaram a um poço (Num.21:17). Temos Davi, o suave cantor de Israel (Patriarcas e Profetas, p.642). O coro organizado do rei Davi (Sal.68:25). Temos os 1005 cânticos feitos por Salomão (I Re.4:32). Temos o cântico dos remidos que ainda vai ser apresentado na volta de Jesus e que nós deveríamos estar ensaiando desde agora. Está profetizado que no céu “a língua dos mudos cantará (Is.35:6). Como você vê, havia muitos cantores nos tempos bíblicos e haverá cantores no céu. Certo senhor machucou a mão e foi parar no hospital. Depois de feito o curativo ele perguntou ao cirurgião se ele um dia poderia tocar o seu banjo. O médico assegurou que sim. No dia seguinte a mesma pergunta, “será que eu vou conseguir tocar o meu banjo?”. O médico já meio irritado respondeu asperamente dizendo que sim, “eu já falei”. No terceiro dia, a mesma pergunta e o médico irritado ainda mais, respondeu: “eu já falei que vai, e porque você fica insistindo se vai poder tocar o seu banjo? “É porque eu nunca consegui tocar antes” foi a resposta. Assim penso eu, será que eu vou poder cantar no céu, eu que nunca consegui cantar antes? Espero estar lá, ainda que não cante, só estar já me satisfará eternamente. Eu vou assistir você cantando, pode ser?

Os comentários estão encerrados.