Meditação diária de 11/02/2020 por Flávio Reti – O Binóculo
11/02/2020
Meditação diária de 13/02/2020 por Flávio Reti – Bob de cabelo
13/02/2020

Meditação diária de 12/02/2020 por Flávio Reti – O Beeper (pager)

12 de fevereiro

Provérbios 20:7  “O justo anda na sua integridade; bem aventurados serão os seus filhos depois dele”

O Beeper (pager)

Durante um bom tempo houve entre os profissionais mais requisitados, especialmente médicos, um certo orgulho de andar por aí portando na cinta um aparelhinho semelhante ao controle remoto de portão que a partir de uma central era acionado e produzia um beep intermitente e contínuo. O portador do beeper, que também tinha o nome mais erudito de pager, deveria se dirigir a um telefone mais próximo por que alguém o estava procurando. O pager não falava nem transmitia voz, era apenas acionado a partir da central avisando que o portador era procurado por alguém. Digamos que você quisesse falar com seu médico. Você telefonaria para a central, dava o número do beeper, do pager, e a secretária acionava-o onde ele estivesse por meio de ondas de rádio e uma sequência de beeps intermitentes soavam e o proprietário saberia que alguém estava à sua procura, então, ele recorria a um telefone mais próximo, chamava a central para saber quem estava procurando-o. Era complicado, mas o pager foi o precursor do telefone celular. De início o pager só vibrava, depois passou a produzir beeps sonoros, mais futuramente passou a receber a mensagem escrita no visor de cristal líquido. Era a evolução da tecnologia, mas eis que dentro de pouco tempo surgiram os primeiros celulares e o pager foi desbancado e caiu no esquecimento e até hoje poucos se lembram dele. Quando penso que o pager desapareceu para dar lugar ao celular, eu me lembro de Jesus quando falou da semente que ao cair na terra deve morrer para que uma nova planta nasça. A planta mãe dá a semente e morre para que uma nova plantinha surja no lugar. Muita semelhança com nossa própria vida, quando nós vamos e nossos filhos continuam por aqui. O problema é que a planta nova é tal e qual a que morreu, da mesma espécie, com as mesmas características e vão dar os mesmos frutos. Então pense: Se for assim conosco, semelhante a planta, que frutos nossos filhos vão produzir? É um tanto desalentador pensar que meu filho vai cometer os mesmos erros que eu cometi, vai trilhar os mesmos caminhos que eu trilhei antes da minha conversão. Se realmente é assim, muitos filhos vão sofrer bastante nesta vida simplesmente por ser filhos de certos pais, aliás, os filhos são o que são porque tiveram os pais que tiveram. Se hoje sou o que sou, eu não saberia dizer se eu devo tudo a meu pai, ou se meu pai deve tudo isso pra mim. Só sei que se Jesus não tiver misericórdia de mim, estou perdido. Por isso eu oro todos os dias para que ele “crie em mim um coração puro e renove dentro de mim um espírito reto” (Salmos 51:10).

Os comentários estão encerrados.