Meditação Diária de 09/05/2017 por Flávio Reti
09/05/2017
Vacinação
10/05/2017

Meditação Diária de 10/05/2017 por Flávio Reti

Dia da Cozinheira

“As mãos das mulheres compassivas cozeram os próprios filhos, estes lhes serviram de alimento na destruição da filha do meu povo” Lamentações 4:10

 Cozinhar é uma arte. Atualmente homens e mulheres se especializam nessa arte e se arrogam o pomposo título de chef. Fritar um ovo e fazer um arroz, quase todo mundo sabe, mas fazer pratos exóticos, sofisticados, diferentes, vai precisar de alguma arte e de conhecimento dos segredos da cozinha.

Enquanto a gastronomia cresce, atualmente, muita gente se acorda e quere se transformar em famosos chefes de cozinha, ao passo que com o decorrer dos dias vai diminuindo o número de mulheres que gostam de cozinhar para a família. As pessoas vivem numa louca correria e procuram o que é mais fácil e mais rápido em termos de comida, daí uma preferência por comer fora de casa. As mulheres que no passado tinham a tarefa de preparar a comida para a família, hoje passam o tempo no mercado, não de alimento, mas de trabalho, fora de casa. Com isso a procura por alimentos prontos, ganha espaço. As lanchonetes, fast food, comidas prontas, lanches são as comidas preferidas. Comer em casa, só nos finais de semana ou quando vai visitar a avó.

A função de cozinheira, cujo dia se comemora hoje, só tem espaço nas lanchonetes, nos restaurantes, nos hotéis, mas longe de casa.

Eu, às vezes, penso na família de Abraão como uma família nômade e de algum modo a comida não era fácil. Eles não paravam para plantar e esperar o tempo da colheita, viviam perambulando pelas terras pastoris e pelos desertos. É verdade que criavam gado, tinham as carnes, o leite, o queijo, a manteiga, talvez ovos, raízes e algumas comidas de origem vegetal, mas poucas. A comida não era fácil para aquele povo e olha que a família de Abraão devia ser grande e para completar levava seu sobrinho e toda a família dele sempre juntos.

A bíblia relata um incidente em que havia fome na terra, nos dias do profeta Eliseu. Ele disse ao seu servo que pusesse a panela no fogo e fizesse um caldo de ervas para os filhos dos profetas. Mas um deles, eu acho que não tinha muita habilidade com cozinha, colheu ervas venenosas e pôs na panela sem saber o que era. Assim que tiraram para comer, eles reclamaram de alguma coisa dizendo que não dava para comer, podiam morrer. Eliseu, pediu farinha e misturou com o caldo. Depois disse que comessem e a coisa se resolveu (II Re.4:39-41). Parece que Eliseu entendia um pouco mais de cozinha.

Noutra ocasião, o profeta Elias pediu a uma mulher viúva, da região de Sarepta, que lhe fizesse um bolo (I Re.17:13) especial, só para ele. Quem sabe por ser ela estrangeira faria um bolo diferente.

De qualquer maneira, seja o bolo de Elias, seja o caldo de Eliseu, seja até o lanche da lanchonete fast food, sejamos gratos pelo alimento de cada dia. Quando milhões passam fome no mundo, os filhos de Deus têm por certo sua água e seu pão de cada dia. O sol já estava declinando e o povo ainda estava ali, à beira do lado, na encosta da montanha, ouvindo Jesus na sua preleção. Foi quando os discípulos vieram e lhe falaram, talvez no ouvido, para que dispensasse a multidão porque estavam o dia inteiro sem comer e deviam muitos morar longe. Ao voltar, passando pelas aldeias vizinhas poderiam comprar alguma coisa para comer. Mas Jesus foi assertivo: “Dai-lhes vós de comer”. Como? Foi a resposta. E Jesus, resumindo, multiplicou o pão e o peixe. Tendo dado graças, distribuiu à multidão. Todos comeram e sobejou. Lição: Quando Deus abençoa, o alimento nunca falta. Vamos aprender a ser gratos pelo alimento diário. A terra ainda está cheia da bondade do senhor.

Os comentários estão encerrados.