Meditação diária de 07/10/2017 por Flávio Reti
07/10/2017
UNASP vive PMDE em alta voltagem
08/10/2017

Meditação diária de 08/10/2017 por Flávio Reti

08 de outubro
Dia do nascituro

Malaquias 4:2   “Mas para vós, os que temeis o meu nome, nascerá o sol da justiça trazendo curas nas suas asas e vós saireis e saltareis como bezerros da estrebaria”

Bem, nascituro é aquele que ainda vai nascer. Seria mais adequado na nossa língua dizer “dia do direito de nascer” ou “dia da criança ainda não nascida”. As leis do país assegura direitos aos nascituros desde que a concepção foi anunciada. Mesmo antes de nascer a criança já passa a ter direitos à vida primeiramente, depois à saúde, à alimentação, a um nascimento seguro. Acrescente-se a isso o direito de ser reconhecida e amada. Essa proteção legal toda visa despertar nas famílias o reconhecimento do valor à vida em todos os momentos, a partir da gestação. E por que um dia especial? Porque há necessidade de conscientização devido aos muitos riscos que a criança corre e nem sempre as mães lhe dão os devidos cuidados. Assistência médica deve ser garantida e condições e meios de um bom parto. O que mais pesa contra a criança que está por nascer é a onda de liberdade de abortar exigida pelas mulheres. Esse assunto vem dividindo a opinião pública: A mãe tem o direito de abortar ou não? Abortar significa interromper uma vida que está a caminho, não abortar pode trazer ao mundo uma criança não desejada, uma criança gerada de um estupro, uma criança defeituosa que vai gerar mais preocupações do que satisfação. Enfim, é um assunto muito complicado. A única verdade, por enquanto, é que os nascituros têm direito à vida, e as mães podem ter para sempre uma consciência culpada de ter assassinado um filho seu. Muitas crianças também nunca terão a oportunidade de conviver com sua mãe, vítimas de experiências científicas, de clonagem, congeladas em tambores de hidrogênio à espera de uma mãe de aluguel que as aceite receber em seu ventre. É tremendamente complicada a situação dos nascituros.

Houve um dia em que um anjo desceu do céu e anunciou a Maria que ela seria mãe de Jesus, o filho de Deus que viria ao mundo para salvar os homens de seus pecados e dar-lhes uma oportunidade de vida e de recuperação do Éden perdido. Felizmente Deus sabia quem era Maria, e sabia como Jesus seria criado. Imagine se Maria tivesse essas ideias modernas de aborto e Jesus não tivesse nascido por amor à comodidade da mãe? Graças, que isso não aconteceu e pela sujeição de uma mãe fervorosa hoje todos temos a oportunidade de salvação. O nascimento de Jesus vinha sendo anunciado desde o dia em que Adão e Eva pecaram. A promessa de um salvador vinha sendo repetida por Deus as todos os patriarcas, a todos os profetas e repetida ao povo com frequência. Todos sabiam da vinda do Messias e até o aguardavam, mas aguardavam-no segundo às suas visões da vida. Esperam um libertador, um guerreiro, valente que que os livrasse do julgo romano e, para surpresa de todos, veio uma humilde criança, nascida numa manjedoura, sem referências e sem endereço. Resultado? Ela foi rejeitada desde o seu nascimento e continua rejeitado ainda hoje pelo povo que deveria ter recebido com boas vindas e com honras. Até hoje o judeu não aceita Jesus como o Messias e continua aguardando a vinda de um Messias moderno.

O povo de seus dias chegaram a indagar “quem é esse Jesus?”, afinal esse camarada arroga para si as glórias do Messias, mas não passa de um simples ajudante de carpintaria na oficina de seu pai. Mal sabiam eles que Jesus estava se preparando para resistir as agruras que o aguardavam ao iniciar seu ministério propriamente dito. O poder que acompanhou Jesus nos últimos 3.5 anos de sua vida deram provas mais que suficientes de que ele de fato era o Messias enviado de Deus. A pergunta que ressalta aos nossos olhos é se nós o estamos aceitando ou igualmente aos judeus rejeitando-o. Quando nascituro, Jesus foi muito bem aceito pela sua mãe e por José, seu pai. Depois de adulto começou sua rejeição e hoje, por ignorância ou por orgulho, milhões o rejeitam também. E você, como é sua aceitação de Jesus como filho de Deus e como seu salvador? Dessa sua resposta pode depender sua vida eterna. Dê a liberdade de Jesus nascer no seu coração. Que as leis da sua consciência o protejam enquanto ele protege você ao longo dessa vida incerta e duvidosa.

 

Os comentários estão encerrados.