Programação Novo Encontro – Abril/2019
07/04/2019
Meditação diária de 09/04/2019 por Flávio Reti – Carlos Filipe Artur Jorge
09/04/2019

Meditação diária de 08/04/2019 por Flávio Reti – Ryan Wayne White

08 de abril

João 15:4  “Permanecei em mim e eu permanecerei em vós…”

Ryan Wayne White

Houve um tempo que ninguém falava em AIDS porque era alguma coisa desconhecida, mas houve também um caso de um menino que além de hemofílico (hemofilia é a doença que não permite a coagulação do sangue e a pessoa geralmente morre com hemorragia) adquiriu também a AIDS (síndrome de insuficiência imunológica) e virou um caso internacional. Ryan White era um menino de Kokomo, no estado de Indiana, nos Estados Unidos, que foi expulso da escola por ser portador do vírus da Aids. Ele havia sido infectado com um dos seus tratamentos sanguíneos, porque de quando em quando ele era obrigado a fazer transfusão de sangue, uma vez que seu organismo não produzia os anticoagulantes necessários, e a doença chamada AIDS era ainda pouco conhecida e assustava muito. Os médicos disseram que não oferecia riscos aos demais, mas muitos pais e alguns professores foram contra a sua presença na escola. Aqui começou aquela famosa luta legal contra o sistema escolar e a imprensa querendo pôr na mídia e já foram fazendo Ryan virar uma celebridade. Bem, Ryan venceu a etapa de exclusão e ainda viveu cinco anos mais além da previsão dos médicos, quase conseguindo terminar o ensino médio. A compreensão que se tinha era que Aids só acometia homossexuais e a partir do caso Ryan ficou provado que não era bem assim. Muitas outras pessoas adquiriram Aids e não eram homossexuais, então, surgiram na TV americana vários personagens públicos (Magic Johnson, Kimberly Bergalis, Arthur Ashe) apoiando as pesquisas e incentivando a educação pública com respeito à Aids. Cantores como Elton John, Michael Jackson e até o presidente Ronald Reagan com sua esposa Nancy se dignaram aparecer na TV ao lado de Ryan para abolir este estigma da doença. Ryan foi diagnosticado com hemofilia assim que nasceu ao ser circuncidado, porque os médicos descobriram que o sangramento não estancava e ele foi diagnosticado com a doença e em seguida recebeu transfusão de plasma de sangue de pessoas supostamente sadias. De quando em quando ele era obrigado a receber sangue e numa dessas ele foi infectado com o vírus da Aids, depois começou a batalha jurídica para a família manter o filho na escola. Um caso explícito de exclusão social. Hoje já está muito diferente, fala-se muito em inclusão social, incluir os deficientes físicos, os doentes, os que têm síndrome de Down, os negros, as minorias raciais, os órfãos, os pobres e a lista cresce.

O que você leu até aqui sobre a vida Ryan já é suficiente para você fazer um contraste com as palavras de Jesus: Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos e eu vos aliviarei (Mat.11:28). A pregação de Jesus era toda inclusiva. Quando ele disse que Deus amou, ele incluiu o mundo. Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu filho unigênito, e outra vez, para todos aqueles que nele creem (Jo.3:16). O que vamos então fazer? Abrir os braços e dar entrada a todos em nosso coração. Podemos afirmar sem medo de errar que Jesus era “inclusivista” declarado.

Os comentários estão encerrados.