Meditação Diária de 06/05/2017 por Flávio Reti
06/05/2017
Meditação Diária de 08/05/2017 por Flávio Reti
08/05/2017

Meditação Diária de 07/05/2017 por Flávio Reti

Dia do Silêncio

“As palavras do sábio, ouvidas em silêncio, valem mais do que o clamor de quem governa entre os tolos” Eclesiastes 9:17

Quem já não entrou num hospital e não viu nas paredes dos corredores aquela foto de uma enfermeira com o dedo indicador sobre a boca fechada em sinal de silêncio? Pitágoras disse que “Se o que tens a dizer não é mais belo do que o silêncio, então, cala-te”. Outro pensador, Pascal, disse que “o silêncio é o maior dos martírios”. E foi exatamente por isso que os mártires foram martirizados, porque conhecendo a verdade, não conseguiam guardar silêncio. Há um pensamento popular que diz que “quando você se cala, você é senhor dos seus pensamentos, mas quando você fala, você é escravo das suas palavras”.

Uma mãe combinou com seus três filhos de fazer uma surpresa para seu esposo porque era dia do seu aniversário. Então ela, ajudada pelos meninos, preparou um bolo, enfeitou a mesa da copa, apagou a luz e esperou o marido chegar. O plano era receber o marido na porta de casa, entrar todos sem dizer uma palavra e só acender a luz quando já estivesse na copa e imediatamente cantar “parabéns a você”. Seria uma surpresa, seria! Na hora que o pai chegou, todos foram para a porta para surpreender o pai, mas o menorzinho, quando o pai o abraçou, foi logo dizendo: “Papai, tem uma surpresa pra você lá na copa, eu não posso falar o que que é”. Muitos adultos agem exatamente como aquela criança da história. Não conseguem manter silêncio, tem que falar alguma coisa, parece que a língua não cabe dentro da boca. Certa vez, numa aula de Português, o meu professor na faculdade entrou e a sala estava num alvoroço, todos falando ao mesmo tempo. Ele, sem dizer uma palavra, foi ao quadro e escreveu: “Não mostre sua ignorância para os outros”. Pronto, foi como jogar água na fervura, a classe silenciou e todos ficaram pensando o que ele quis dizer e pra quem estava dizendo aquilo.

Todos têm na vida oportunidade de provar que o silêncio é ouro. Salomão, no livro de provérbios, afirma que “até o tolo, quando se cala, é tido por sábio e o que cerra os lábios, por entendido” (Prov.17:28).

Mas algumas pessoas usam o silêncio para se vingar. Por razões tolas uma pessoa se indispõe com a outra e fica sem falar, num silêncio tolo durante dias, meses e até anos. Ocorre muito disso entre marido e mulher, como para dizer, você me ofendeu e então agora eu vou ofendê-lo

Outra pessoas usam o silêncio para manipular outra. Também ocorre entre os casais onde um deles ao invés de argumentar, deixa de falar, até que o outro ceda aos seus caprichos.

Para o crente, é bom saber que existe tempo para tudo (Ecl.3:1-8). Inclusive tempo de falar e tempo de ficar calado. Não é verdade que “quem cala consente”. Calar é a melhor maneira de responder a uma provocação. Calar é a melhor maneira de não falar bobagens, falar coisas as quais não somos autorizados a falar. Calar é a melhor maneira de nunca ser acusado de fofoqueiro.

Experimente ficar calado pelo menos um dia. Seus pensamentos fluem melhor e você evita muitos aborrecimentos. Saber guardar silêncio é uma arte e quem aprende essa arte, tem mais chances de sucesso. “Se desejamos ver o Rei em Sua formosura, temos de aqui nos comportar à altura. Temos de deixar atrás nossa meninice. Quando vier provocação, fiquemos calados. Há ocasiões em que o silêncio é eloquência. Devemos revelar a paciência, bondade e longanimidade que nos tornem dignos de ser chamados filhos e filhas de Deus. Devemos confiar nele, crer nele, e com Ele contar. Devemos seguir as pegadas de Cristo. “Se alguém quer vir após Mim”, diz Ele, “negue-se a si mesmo, e tome cada dia a sua cruz, e siga-me”. S. Luc. 9.23. … O ficar calado quando assim devemos proceder, pode representar para nós uma cruz pesada. Pode ser uma disciplina penosa; deixai, porém, que vos assegure que o silêncio faz muito mais para vencer o mal do que uma tempestade de palavras iradas” (Maranata – Meditação Matinal. P.325).

Os comentários estão encerrados.