Meditação diária de 06/08/2020 por Flávio Reti – MP3 Player
06/08/2020
Comentários da Lição 6 (3º Trim/2020)
07/08/2020

Meditação diária de 07/08/2020 por Flávio Reti – Multímetro

07 de agosto

Salmos 119:130  “A exposição das tuas palavras dá luz, dá entendimento aos simples”

Multímetro

Pouca gente sabe o que é um multímetro, tanto analógico quanto digital. Mas é um aparelhinho usado para medir grandezas elétricas e eletrônicas. Os mais antigos, ainda com ponteiro são os multímetros analógicos e os mais modernos já são digitais, mostram os valores em um display luminoso. Ele é presença constante ao lado do técnico de consertos em aparelhos eletrônicos e eletrotécnicos, como o técnico de televisor, de forno micro-ondas, técnico de computadores. Sempre que houver componentes eletrônicos envolvidos, o diagnóstico para conserto é feito testando tudo com um multímetro. Com ele o técnico pode medir a voltagem, a amperagem, a resistência ôhmica, valor da capacitância, de frequência. É possível testar também diodos e transistores. É pequeno e portátil e oferece grande confiabilidade no diagnóstico de defeitos dos componentes. Mas quem foi o inventor do multímetro, um instrumento tão versátil e tão útil nas oficinas de conserto? Ele foi inventado em 1923, por um engenheiro dos correios, de nome Donald MacAdie, que pensava em reduzir o número de aparelhos separados que tinha que levar sempre que saía para reparação nos equipamentos do correio. Ele pensou em unir três em um: amperímetro, voltímetro e Ohmímetro e lhe deu o nome de AVO. Esse modelo original foi construído e vendido durante 57 anos, até 2008, sem alteração do circuito, quando foi descontinuado e substituído por outros mais modernos. Um profissional da área de elétrica e eletrônica precisa tanto de um multímetro como um motorista precisa do carro e faz sentido aos iniciantes na área desde logo adquirir seu multímetro para já começar medindo e entendendo o funcionamento dos componentes eletrônicos. É bom lembrar que um multímetro não é só vantagens, ele apresenta perigo também se for mal utilizado, porque o profissional descuidado pode sofrer descargas elétricas desagradáveis, pode explodir o aparelho, pode danificar o próprio circuito que está pesquisando danificando componentes e outros danos próprios da profissão. Toda profissão envolve riscos, essa é a verdade. Se tudo envolve riscos, o melhor caminho é tomar cuidado. Você pode pensar, bem, mas a profissão de um pastor, digamos, não tem risco. Posso afirmar que tem! Nas suas visitas ele pode ser mal interpretado e acusado, nas suas pregações ele pode desagradar alguns membros da sua comunidade de fé, na compra de material para a igreja ele pode desperdiçar dinheiro e ser acusado, nos seus aconselhamentos ele pode ser contestado e desrespeitado e outras situações podem ocorrer na vida pastoral. Portanto, em qualquer profissão o caminho mais sensato a seguir é pautar a conduta pelos princípios da mesma maneira que os equipamentos exigem que se siga o manual de uso. Na vida religiosa não é diferente, há que se tomar cuidado e seguir nosso manual que é a bíblia cujas orientações vem do fabricante do ser humano, o próprio Deus.

Os comentários estão encerrados.