Novo Encontro
04/06/2017
Meditação diária de 06/06/2017 por Flávio Reti
06/06/2017

Meditação diária de 05/06/2017 por Flávio Reti

Dia Mundial do Meio Ambiente
“A terra pranteia e se murcha; o mundo enfraquece e se murcha; enfraquecem os mais altos do povo” Isaías 24: 4

A cada ano você ouve a notícia de que as queimadas alcançaram o tamanho de “não sei
quantos campos de futebol”. Toneladas de agrotóxicos são lançados na terra e depois levados aos
rios e mares pelas cheias das chuvas e depois toneladas de peixes mortos. Toneladas de carbono
lançadas na atmosfera que vão gerar o efeito estufa. Toneladas de petróleo lançado ao mar matando
peixes e animais marinhos. Só se fala em toneladas para se referir à agressão feita ao meio ambiente.
Os membros das Nações Unidas (ONU) se reuniram em Estocolmo e votaram instituir um dia
de conscientização a favor do meio ambiente. Mas votar é diferente de tomar providências. Os
governos precisam fazer alguma coisa pelo meio ambiente, ou a vida será eliminada da terra. Os
homens individualmente precisam fazer alguma coisa pela terra, ou serão todos eliminados da face
da terra. O planeta pede socorro, já ouviu essa frase? Quanta razão tinha Isaías quando disse que
“na verdade a terra está contaminada por causa de seus habitantes, porquanto transgridem as leis,
mudam os estatutos e quebram o pacto eterno. Por isso, a maldição devora a terra e os que habitam
nela sofrem por serem culpados” (Is.24:5,6) Parece que Isaías esteve aqui ontem e viu todo o mal
que infligimos sobre a terra que Deus nos deu para viver nela.
Chamamos de meio ambiente o conjunto de condições e circunstâncias em que a vida possa
se desenvolver. Alguns preferem definir como ecossistema. Observe então a terra se aquecendo a
cada ano, a atmosfera envenenada cada dia mais, a água potável se escasseando.

Os chamados ambientalistas não estão conseguindo vencer a resistência da humanidade que
está depauperando o planeta, envenenando a terra e o ar, criando um local nada seguro para se
viver. O sonho de Deus, de ter a terra toda como um jardim, um pomar, está sendo deturpado. O
Éden deveria se expandir para envolver toda a terra à medida que a população fosse crescendo,
mas, infelizmente, o homem desde o início começou a destruir a terra, sua casa, seu lar. E o que
se vê atualmente? Vemos a terra investindo contra seus algozes na forma de saraivada, terremotos,
tsunamis, furacões, tempestades, má produção de grãos e frutas, ela se nega a produzir porque
o homem não está merecendo bem algum. Hoje estamos esbanjando as oportunidades de vida
feliz para um dia prantear nossa infelicidade e for eternamente tarde demais. Nossa terra, nosso
planetinha, consegue se recuperar se lhe dermos condições, mas daqui a quanto tempo? Pode
ser que para nós, os mais velhos, nunca mais veremos a terra viçosa como foi planejada, talvez
nossos filhos, talvez. Mas as profecias não são animadoras, elas nos informam que a terra que hoje
existe se entesoura para o fogo dos últimos dias. A atual situação do mundo tem alguma coisa a
nos dizer: o fim está próximo. Estamos vivendo nos últimos dias. Aproxima-se o fim de todas as
coisas. Cumprem-se rapidamente os sinais preditos por Cristo. Esperam-nos tempos tormentosos
Não pronunciemos, porém, palavra alguma de desalento ou descrença. Aquele que compreende as
necessidades da situação dispõe as coisas de maneira tal que os crentes tenham ainda um pouco de
tempo para se prepararem. Ele sabe das nossas necessidades mais imediatas e envia Sua mensagem
tanto pelos caminhos como pelos atalhos. Almejo o dia do qual o profeta falou que Deus criaria
novos céus e nova terra onde não haverá sequer lembrança das coisas passadas, onde nunca mais
se ouvirá a voz de lamento e nem voz de clamor (Is.65:17-19). Lá, na nova terra, edificaremos e
moraremos nas casas que construiremos, plantaremos e comeremos do fruto da nossa plantação.
Estamos falando do céu, da bem aventurada esperança, da manifestação do Senhor nos ares. Ah! Eu
tenho saudades do céu! Este mundo não é mais um lugar seguro para se viver. Almejo o céu!

Os comentários estão encerrados.