Culto Domingo às 20h – Presencial
04/10/2020
Meditação diária de 06/10/2020 por Flávio Reti – Sismógrafo
06/10/2020

Meditação diária de 05/10/2020 por Flávio Reti – Serra Elétrica

05 de outubro  

Isaías 65:17  “Pois eis que crio novos céus e nova terra, e não haverá lembrança das coisas passadas, nem mais se recordarão”

Serra Elétrica

Meu pai tinha muitas ferramentas e eu conhecia bem o que era um serrote. Era uma ferramenta em forma de lâmina dentada com uma empunhadura que ele segurava para serrar madeiras. O serrote tinha uma característica, só serrava quando era empurrado, na volta ele só limpava o corte da madeira. Certa vez vi um lavrador japonês podando suas árvores frutíferas do quintal e observei que ele tinha uma serra, em forma de arco preso por uma lâmina dentada, semelhante ao serrote, mas mais fina e ele só serrava os galhos quando ele puxava a serra, ao contrário do serrote que serrava ao ser empurrado. Aquilo ficou na minha cabeça enquanto eu pensava: “é coisa de japonês, mesmo”. Mas as serras e os serrotes também evoluíram e atualmente quase ninguém serra alguma coisa manualmente. Temos as serras elétricas, furadeiras elétricas, plainas elétricas, lixadeiras elétricas e quase tudo é elétrico. Nós usávamos o serrote e a serra de arco porque era a única coisa que existia para serrar e já era uma grande ajuda. Era cansativo e de vez em quando era obrigatório amolar o serrote, travar os dentes (travar era entortar os dentes um para cada lado) para não estreitar o corte e prender o serrote dentro do corte. Para serrar uma viga dava até desânimo, porque demorava uns 15 minutos, serrar um caibro uns 5 minutos e era assim que o madeiramento das casas era construído. Demorava, às vezes, duas semanas para terminar o madeiramento de uma cada média. Com o advento da serra circular elétrica todo esse tempo diminuiu para dois dias. É possível cortar uma viga em 30 segundos e sem fazer força, o motor da serra é que faz força. Existem N fábricas de serras, nacionais e importadas, e pouquíssimas que ainda fabricam serrotes que está se tornando quase uma relíquia pendurado em algum prego na parede da casinha de ferramentas. Além das serras para cortar madeira, temos serras para cortar paredes, cortar concreto, cortar ferro, cortar mármore, tudo se corta com uma serra elétrica, uma maravilha da tecnologia para diminuir nosso esforço. Mas meu pensamento se volta para o fato de serrotes e serras manuais estar cedendo lugar para as serras elétricas, uma tendência que não vai retroceder mais. É o tempo que está passando e com ele tudo vai ficando no passado, cedendo lugar para o novo. Com isso eu me lembro do anjo de Apocalipse dizer “eis que crio novas todas as coisas” (Apoc.21:5). Esse todas as coisas inclui a terra, o próprio céu físico, as pessoas, a flora e a fauna, e o homem também. Essa é a nossa bendita esperança na qual cremos e a qual esperamos.

Os comentários estão encerrados.