Meditação diária de 04/07/2019 por Flávio Reti – Peter Ware Higgs
04/07/2019
Novo Encontro (07/07/2019) com a Psicóloga Karina Tavares Girotto
05/07/2019

Meditação diária de 05/07/2019 por Flávio Reti – Elvis Aaron Presley

05 de julho

Eclesiastes 3:11  “Tudo fez formoso em seu tempo, também puseste na mente do homem a ideia de eternidade …”

Elvis Aaron Presley

 Esse foi um americano famoso, conhecido mundialmente como o Rei do Rock, porque foi o pioneiro a lançar a moda do rock and roll (dançar e rolar) na década de 1950. Seu sucesso todo vinha de sua bela voz que segundo os entendidos ele alcançava tons e notas de difícil alcance para os demais cantores populares. A crítica musical o destacou como um dos melhores cantores entre os populares em todo século XX. Ganhando sucesso no mundo inteiro, não é de se admirar que algumas de suas músicas viessem a ser tocadas e conhecidas mundialmente, algumas delas destacadas no Brasil, como “It’s now or never”, “Love me Tender”, “my Way” que foi cantada também por Frank Sinatra. Mesmo depois de sua morte, muitas de suas canções foram gravadas e regravadas no mundo inteiro. Considerado o recordista em vendas de discos, 1 bilhão de álbuns vendidos. Mesmo tendo nascido no Estado centro do racismo americano, ele aprendeu com seus pais a ser respeitoso em todos os aspectos, sociais, financeiros e raciais. Sua carreira começou quando ele ganhou um concurso de novos talentos e cinco dólares e seu pai o presenteou com um violão, do qual ele nunca mais se separou. A família era pobre e moravam em condições precárias, Elvis foi lanterninha no cinema, motorista de caminhão e chegou a cantar na sua igreja, Assembleia de Deus. Foi um crescendo só, e Elvis se tornou uma sensação internacional. Nascia o primeiro mega star cantando músicas populares e mega também em vendas e marketing. Chegou o momento em que Elvis foi convocado para o exército e acabou ficando dois anos na Alemanha e foi para lá no mesmo ano em que morreu sua mãe, aliás, ele estava lá quando soube da morte da mãe. Quando voltou, dois anos depois, foi convidado para se apresentar no programa de Frank Sinatra e sua carreira foi só ascendente, até o dia em que ele foi encontrado morto no banheiro de sua mansão em Graceland. Daí começam as especulações sobre sua morte: Foi por drogas? Foi um colapso cardíaco? Fato é que o ídolo virou mito. A morte de Elvis Aaron Presley no dia de 16 de agosto de 1977 serviu para fazê-lo famoso ainda mais e para muitos de seu tempo, inesquecível e memorável. Até filmes foram rodados sobre Elvis, inclusive no Brasil com o título “Elvis não Morreu”. Hoje a mansão que foi a casa de Elvis durante seu sucesso se transformou em um ponto de peregrinação e visitação, considerada patrimônio histórico da humanidade e as casas comerciais do entorno vendem de tudo, de chaveiro a roupas relembrando Elvis. O que ele nunca imaginou foi que após sua morte a cidade ficaria famosa e teria um comércio fabuloso em torno de sua pessoa.

Imortal, foi o título que deram para Elvis. Mas ele está morto e enterrado ao lado de sua mãe. Imortalidade nesta vida ninguém tem, ela só será concedida aos fiéis de todos os tempos por ocasião da volta de Jesus. É por isso que nós aguardamos, com ansiedade, não um novo sucesso de Elvis Presley, mas a aparição gloriosa de Jesus nas nuvens do céu para dar a cada um dos seus filhos a coroa da vida eterna e franquear a entrada no seu reino também eterno. Não nos interessa fama nem glória passageiras, o que queremos é estar eternamente com Cristo desfrutando da vida imortal na eternidade.

Os comentários estão encerrados.