Transmissão ao vivo da Semana de Oração Pelo Poder de Deus
04/02/2020
Meditação diária de 06/02/2020 por Flávio Reti – A bateria
06/02/2020

Meditação diária de 05/02/2020 por Flávio Reti – A Batedeira

05 de fevereiro

Apocalipse 3:20  “Eis que estou à porta e bato. Se alguém ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e com ele cearei e ele comigo”

A Batedeira

Ainda me lembro quando fui visitar a família da minha esposa pela primeira vez e lá vi meu futuro sogro batendo gemas de ovo com uma colher de pau numa gamela e depois ele pôs raspas de rapadura, acrescentou suco de uva, bateu mais um pouco e deu o nome de cabreúva naquela coisa que eu desconhecia. O processo de bater, e depois eu fiquei sabendo que ele batia também o leite manualmente até virar manteiga, era precário porque nunca alguém ouvira falar de batedeira naquele lugar. Mas a batedeira é uma invenção até simples, um equipamento doméstico, às vezes elétrico, mas pode também ser encontrado o de uso manual e serve para misturar ingredientes, bater e eventualmente dissolver grumos que se formam nas receitas culinárias. A batedeira vai ser encontrada ao lado do micro-ondas, do liquidificador, do ralador, do cortador de frios, da panela elétrica, do famoso air frier moderno, aquela geringonça que frita sem usar óleo, mas com ar quente injetado. É muito difícil hoje encontrar uma cozinha que não tenha no armário uma batedeira de massas. E existem delas de muitas formas, manuais, elétricas, com um garfo, com dois garfos, com batedores telescópicos, grandes, pequenas, marcas e fábricas diferentes, isto sem falar nas batedeiras industriais nas grandes padarias e fábricas de alimentos que às vezes comportam centenas de quilos de farinha de uma só vez. Bem, você está lendo esse devocional pensando em uma batedeira de bolo, provavelmente, mas eu que estou escrevendo estou pensando no significado do verbo bater e, por acaso, na expressão bater a cabeça. A batedeira bate os ingredientes girando os garfos e nós giramos o pescoço pela vida batendo a cabeça em problemas que criamos enquanto vivemos. Aposto que você já viu crianças brincando de cobra-cega até ver uma delas dar com a cabeça na parede ou na porta e abrir a boca chorando e assim acabou a brincadeira. Com crianças é assim, acaba logo a brincadeira, mas conosco, os adultos, a brincadeira não acaba assim tão fácil e nós continuamos durante anos batendo a cabeça nas dificuldades, no desconhecido, nos obstáculos que a vida oferece, e vamos vivendo como cegos sem saber que rumo tomar. Parece que vivemos com os olhos vendados tateando enquanto o tempo passa por nós. Mas não é necessário que assim seja, porque há uma maneira melhor de se conduzir pela vida enquanto passamos por este mundo. Basta abrir os olhos, tirar a venda e contemplar a beleza da vida, aliás “a terra ainda está cheia da bondade do Senhor” (Sal.33:5). Ore como Davi orou: “Abre meus olhos, para que eu veja as maravilhas da tua lei” (119:18). Viver é uma arte, além de ser uma oportunidade de escolher a vida eterna oferecida por Jesus. Ninguém precisa bater mais a cabeça quando se tem objetivo definido na mente, é uma questão de escolha nossa.

Os comentários estão encerrados.