Meditação diária de 03/04/2021 por Flávio Reti – Quando aconteceram as duas grandes guerras mundiais?
03/04/2021
Culto de Adoração
04/04/2021

Meditação diária de 04/04/2021 por Flávio Reti – Quando um maribondo pica, o que você faz?

04 de abril

João 8:32  “E conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”

Quando um maribondo pica, o que você faz?

Eu ainda me lembro de algumas superstições que via quando era menino e que eram conhecidas de todos na comunidade onde nasci e cresci. Uma delas era que quando a dona de casa deixasse queimar o arroz na panela, bastava tirar uma colherada daquele arroz e colocar na pia pondo a panela em cima, o cheiro forte de queimado e o gosto desapareciam. E parece que era por encanto, mas desaparecia mesmo. Outra era que quando o maribondo picasse ou outro inseto qualquer picasse, bastava por um instrumento de aço em cima do local picado, uma tesoura, uma faca, e o inchaço e a dor desapareceriam. E não é que funcionava! Como eu não sei explicar, mas se era crendice ou se há alguma explicação lógica eu ainda desconheço. Se você recorrer à farmácia, vai encontrar medicamentos adequados e apropriados para picadas de insetos, mesmo porque há pessoas que têm alergia e ao serem picados sofrem inchaço na garganta levando à asfixia, mas colocar uma tesoura em cima do local picado é uma tremenda crendice, mas parece que funcionava. Talvez pelo efeito imã do aço que deveria atrair algumas partículas elétricas do átomo do veneno, não sei. Arroz queimado, até hoje vejo minha esposa fazer a crendice e salvar a panelada de arroz. Se você duvida, experimente. Mas há crendices muito, muito, estúpidas. Com sete anos eu caí e quebrei meu braço que ficou parecendo um S. Meu pai me levou a uma benzedeira, uma espanhola, que depois de falar um monte de palavras que eu menino não entendia, ela pôs um paninho em cima do meu braço, costurou uns pontos com agulha e linha e me dispensou dizendo que iria sarar. No dia seguinte meu braço amanheceu inchado e meu pai, aconselhado pelos vizinhos, me levou ao hospital. Foi lá que ele recebeu uma tremenda repreensão do médico por ter confiado em benzedeira quando o caso era de quebradura. Eu saí de lá com o braço engessado e assim fiquei durante 40 dias. Ainda hoje, tenho um dos braços diferente do outro e com ele ainda não consigo coçar minhas costas.

A pergunta que me sobrevém neste momento é “por que as pessoas se deixam levar por conversas e crenças sem fundamento”? E não pense que crendice só havia quando eu era criança, porque ainda hoje, em pleno 2021, há ainda muitas delas que o povo crê firmemente como verdade absoluta. Estão por aí os astrólogos, os quiromantes, os adivinhos. Precisamos de cautela para viver esta vida e para isso a bíblia está repleta de conselhos.

Os comentários estão encerrados.