Meditação diária de 02/11/2017 por Flávio Reti
02/11/2017
UNASP é destaque em programa televisivo da Globo
03/11/2017

Meditação diária de 03/11/2017 por Flávio Reti

03 de novembro
Dia do cabeleireiro

II Samuel 14:26   “E, quando ele cortava o cabelo, o que costumava fazer no final de cada ano, porquanto lhe pesava muito, o peso do cabelo era de duzentos siclos, segundo o peso real”.

Até você gostaria de ter uma cabeleira assim. 200 siclos, se cada siclo equivalia a 11,4 gramas, isso daria 2.280 quilogramas, ou 2 quilos e 280 gramas. Haja shampoo para lavar tudo isso várias vezes por semana! O dia do cabeleireiro é meio controverso no Brasil. Oficialmente, para o governo, ele é comemorado no dia 19 de janeiro porque nesse dia, em 2012, foi instituída a profissão de cabeleireiro, barbeiro, manicure, maquiador e outros profissionais da beleza. O dia 3 de setembro também já foi comemorado porque foi uma data sugerida pelo sindicato da classe. O dia 3 de novembro coincide com o dia do padroeiro dos cabeleireiros, segundo tradição da igreja católica e por isso escolhida como o dia dos cabeleireiros. Então, temos aí 3 datas que promovem o cabeleireiro. Bem, sem discutir muito o dia, se este ou aquele, o cabeleireiro é um profissional que trabalha tratando do nosso cabelo, cortando, tingindo, alisando e mais outros detalhes. Especialmente para as mulheres, nada há melhor do que sair de um salão com o cabelinho arrumadinho, prontinha para o desfile, para o encontro, para a festa e o profissional que dá esse trato também fica todo orgulhoso de seu trabalho. Os cabeleireiros que se prezam, sempre estão buscando o que há de mais novo nos cortes, nos penteados, nos produtos que alisam, hidratam, colorem e os homens e mulheres vão ficando mais bonitos quando passam pelo salão do cabeleireiro. Uma curiosidade que você vai gostar de saber é que os primeiros cabeleireiros surgiram ainda no Império romano, com as escravas especializadas em maquiar e cuidar dos cabelos das damas da corte. Estou lembrando de ter lido uma história entre um cabeleireiro e um cliente. Dizia o cabeleireiro que não acreditava em Deus porque Deus não existia. Se existisse não haveria tantas atrocidades no mundo. O cliente, um cristão, no momento ficou meio sem resposta, mas assim que saiu do salão, viu passar na rua um indivíduo cabeludo, com aparência de 6 meses sem cortar o cabelo. Ele voltou para o salão e disse firmemente ao cabeleireiro: Sabe, acabei de descobrir que os cabeleireiros não existem. Claro que existem, respondeu ele, eu sou um deles. Não, disse o cliente, se existisse não haveria cabeludos andando pela rua e eu acabei de ver um passando logo aqui em frente. Não, disse o cabeleireiro, acontece que ele nunca me procurou. Igualmente, disse o cliente, para você Deus não existe porque você nunca o procurou.

Nosso verso acima fala de um camarada que tinha uma cabeleira considerável, mais de dois quilos por ano. Seu nome era Absalão, filho de Davi. Era o predileto de seu pai e vivia no luxo porque usava o carro real e tinha 50 homens correndo na frente do carro abrindo passagem. Diz a bíblia que ele era um camarada elegante, bonito, mas um dia arquitetou um plano de usurpar o trono de seu pai. Seu exército foi vencido e ele foi morto quando passava por baixo de um carvalho e ficou preso pela cabeleira enquanto o animal em que montava passou e se foi deixando-o pendurado pelos cabelos entre o céu e a terra. Foi ali, naquela situação, que Joabe, comandante de Davi, o matou. Seu corpo, como faziam para desonrar rebeldes e criminosos, foi lançado numa cova e coberto com grande monte de pedras. O Salmo 3 foi escrito por Davi durante a revolta de Absalão. O cabelo, orgulho de Absalão, foi a causa de sua morte. Está aí um assunto para pensarmos. Na nossa vida, aquilo que para nós é motivo de orgulho, pode vir a ser nossa ruína. Nossa posição social pode nos trair, nosso dinheiro pode desaparecer, nosso status pode desabar, nossos amigos podem faltar e nós podemos ficar sem ação, sem dinheiro, sem amigos, sem status e nossa cultura pouco vai poder fazer por nós. O que realmente precisamos, não é de uma cabeleira muito elegante, podemos ser até carecas, mas se tivermos amizade com Deus, ele nos valerá quando dele precisarmos. Mesmo que você tenha uma “cabeleira” bonita, ela não deve ser a âncora de sua vida. O barco da nossa vida deve ancorar no porto seguro, na presença de Deus, todos os dias. Se você está lendo esse devocional de manhã, é uma boa hora de você confiar sua vida nas mãos de Deus para o dia todo. Aproveite, faça isso agora. Esqueça o cabeleireiro, esqueça Absalão, vá a Deus em oração. É sua oportunidade hoje.

Os comentários estão encerrados.