Meditação diária de 02/04/2020 por Flávio Reti – Colchão de molas
02/04/2020
“Drive-thru” para coleta de doações e ofertas
03/04/2020

Meditação diária de 03/04/2020 por Flávio Reti – Colete à Prova de Bala

03 de abril

Salmos 37:5  “Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele e ele tudo fará”

Colete à Prova de Bala

Põe atenção no que você está lendo: Colete à prova de bala não é a mesma coisa que colete à prova de balas. Isso porque o colete é fabricado para proteger seus usuários de armas de determinado calibre e não de todos os calibres. O que ninguém para pra pensar é que o “à prova” aqui é relativo porque não é à prova de toda e qualquer arma de fogo. Logo, seria tolice alguém usando um colete desafiar o outro dizendo “atire aqui no meu peito” porque os coletes são feitos de diferentes materiais e têm resistência relativa a alguns tipos de armas, nunca a todos, são vários níveis de proteção. O controle e fabricação de coletes balísticos no Brasil é de competência do Exército Nacional controlado pelas Secretarias de Segurança Pública de cada Estado. Segundo à legislação, qualquer cidadão maior de vinte e um anos, com residência fixa e com bons antecedentes criminais pode adquirir um colete à prova de bala, bastando procurar uma loja autorizada e ela mesma encaminha a documentação necessária. É mais ou menos como comprar uma arma de fogo, com as mesmas burocracias. Normalmente, o colete é feito de um material chamado kevlar que é uma fibra de aramida, um material semelhante ao nylon, porém muito leve e flexível e até cinco vezes mais resistente que o fio de aço. Também normalmente usado pelos policiais e já faz parte da indumentária militar para proteção contra projéteis e estilhaços de granadas. A fibra desse tal colete à prova de bala não tem um inventor, mas uma inventora, uma química de nome Stéphanie Louise Kwolek, que criou a fibra usada na confecção e lhe deu o nome de kevlar. Posteriormente a sua invenção, o kevlar veio a ser usado também na fabricação de mais de 200 produtos como botas para os bombeiros, luvas de cozinha, revestimento de carros blindados, cordas, cabos, em abrigos antibombas e até pneus. Ela nasceu nos Estados Unidos mas era de origem Polonesa e faleceu em 18 de junho de 2014, com 90 anos. Que maravilha esse material de proteção, tão útil modernamente, mas que pena que ele não protege de tudo nesta vida. Há muitos outros tipos de circunstancias perigosas para as quais o Kevlar não oferece proteção alguma. Ele não evita doenças, não protege dos fenômenos da natureza, não evita frio, calor, tempestades e muito menos evita a morte das pessoas. Por mais útil que seja a invenção de Stéphanie Louise Kwolek ela está muito aquém da proteção que só Jesus pode dar. Hoje, ao sair de casa, não peça proteção ao colete de kevlar, mas encomende sua vida nas mãos de Cristo que sabe sempre o melhor para sua vida.

Os comentários estão encerrados.