Meditação diária de 31/08/2020 por Flávio Reti – Polias
31/08/2020
Meditação diária de 02/09/2020 por Flávio Reti – Porta corta fogo
02/09/2020

Meditação diária de 01/09/2020 por Flávio Reti – Pólvora

01 de setembro

Jeremias 29:11  “Pois eu bem sei os planos que estou projetando para vós, diz o Senhor, planos de paz e não de mal, para vos dar um futuro e uma esperança”

Pólvora

A descoberta da pólvora pelos chineses data do I século e foi feita por acaso quando alquimistas procuravam descobrir o elixir da longa vida. Só no século X a pólvora passou a ser explorada como material de guerra usadas nos foguetes e nas bombas que eram lançadas por cima dos muros das cidades muradas com catapultas ou com canhões improvisados feitos de bambu. Futuramente os canhões de bambu deram lugar aos tubos de metal e o mais antigo que se conhece data de 1290 lá mesmo na China e de lá o uso da pólvora militarmente passou para o Japão e para a Europa. Sabe-se que a pólvora foi usada pelos mongóis quando lutaram contra os húngaros em 1241. A química da pólvora negra, a primeira a ser descoberta, era composta de carvão vegetal, salitre e enxofre e o salitre usado pelos primeiros produtores da pólvora vinha do cozimento de fezes de animais. Com o tempo de uso e de fabricação da pólvora chegou-se à pólvora branca, chamada de pólvora sem fumaça. O uso da pólvora em armas de fogo pequenas como revólveres e rifles demorou para acontecer porque os chineses e Europeus ainda não dominavam completamente a fabricação de tubos de metal resistentes à explosão e enquanto isso não acontecia os chineses usavam a pólvora quase que exclusivamente para fogos de artifício. Foi somente lá pelos anos 1300 que as muralhas de Benjin, (a atual Pequim) foi construída para aguentar ataques de artilharia. Foi a partir do século XV que o uso da pólvora e a fabricação de armas deslancharam na Europa e a França foi a primeira a usar a pólvora branca nas armas de seu exército, foi quando se passou a usar rifles cujos projéteis alcançavam até mil metros de distância. Em 1887 até Alfred Nobel, o inventor da nitroglicerina, elemento principal da dinamite, entrou na pesquisa de um tipo de pólvora branca ainda melhor que produzia pouquíssima fumaça e a partir daí se deu o início da fabricação de armas automáticas modernas. Essa é a história de que aqui na terra só se pensa em guerra e na fabricação de bombas e armas, mas os homens se esquecem de que perante Deus qualquer gigante na fabricação de armas tomba. Antes da pólvora as lutas eram corpo a corpo, quando muito usavam cavalos nas guerras e depois da pólvora o inimigo passou a ser atingido de longe e matar sempre foi a intenção com essa invenção da pólvora. Consegue notar a diferença de intenções? Deus querendo salvar e os homens querendo matar. É assim que vive a humanidade, mas um dia tudo isso terá fim, porque os ímpios serão destruídos e a terra será renovada para os salvos de todos os tempos.

Os comentários estão encerrados.