Comentários da Lição 3 (3ºTri/2015) por Wagner Teoro
17/07/2015
Meditação de Pôr do Sol de 24/07/2015 por Larisse Loise dos Santos
24/07/2015

Meditação de Pôr do Sol de 17/07/2015 por Ailton C. Mutafci

MULTIPLICACÃO OU ADIÇÃO?

Quando todas as vasilhas estavam cheias, ela disse a um dos filhos: “Traga-me mais uma”. Mas ele respondeu: “Já acabaram”. Então o azeite parou de correr. 2 Reis 4:6

Boa parte de minha vida morei na capital de São Paulo com meus pais e dois irmãos. Recordo-me com muito saudosismo de minha infância. Eu era um garoto cheio de vida “peralta” com uma energia inesgotável. Se alguém chegasse com uma nova ideia de brincadeira eu era um dos primeiros a encarar. Gostava de ouvir as histórias sobre meus pais e tios. Eu e meus irmãos ficávamos parados ouvindo como havia sido a infância deles, como meus pais se conheceram e como foi o casamento deles. O dia especial era às sextas-feiras a noite quando a minha mãe contava histórias bíblicas. Particularmente eu gostava de dois personagem, Elias e Eliseu. Imaginava Elias desafiando os seguidores de baal e Deus mandando fogo do céu. Ficava encantado com as histórias de Eliseu, as ursas que ensinaram lições aos meninos, o machado que flutuou entre outras. Porém, a que me deixava mais pensativo era a história do azeite da viúva. Deus milagrosamente cria uma nascente temporária de azeite. Fico imaginando seu rosto contendo uma expres- são de surpresa, alegria, gratidão e cuidado divino. Creio que naquele momento vários louvores nasceram em seu coração.

Alguns anos depois, quando comecei a trabalhar, a distância da minha casa ao trabalho era de 36km e durava um tempo médio de 2h30 de segunda a quinta-feira. Às sextas-feiras gastava ainda mais tempo para voltar do trabalho e muitas vezes tive que colocar combustível no carro na sexta-feira à noite ou no sábado logo pela manhã para ir à igreja. No início isso me incomodava, mas logo se tornou uma rotina e não me importava mais. Assim que me mudei para Sumaré no ano de 2010 eu reparava o comportamento de minha mãe. Ela se programava para deixar tudo em ordem para o sábado. Casa arrumada, comida feita, roupa passada e gasolina no carro. Logo os princípios que havia aprendido quando criança retornaram e comecei a me organizar para o sábado.

Uma sexta feira, por excesso de trabalho e desorganização minha, esqueci-me de colocar o combustível no carro. Estava chegando em casa a noite e o ponteiro do combustível indicava a reserva do tanque. Nessa hora minha mente sinalizou para que eu parasse em um posto e abastecesse, pois sabia que sem combustível não poderia ir ao ensaio do conjunto e culto no sábado pela manha. Fui tentado a parar, mas no trajeto até o posto lembrei-me dos mandamentos de Deus: “Nem tu, nem teu filho, forasteiro, animal”. Orei a Deus sinceramente explicando o que havia acontecido, como me sentia e qual o motivo de abastecer o carro no sábado. Disse que não poderia ficar em casa, pois tinha ensaio à noite e apresentação com o grupo musical no sábado de manhã. Porém, no meio das minhas justificativas, desculpas e barga- nhas, resolvi não abastecer o carro. Dei a volta e fui para minha casa. Realizei o culto de por do sol com a minha mãe e orei a Deus para que Ele fizesse um milagre.

No horário marcado para o ensaio saí de carro. O trajeto de onde morava à igreja do IASP era de 10 quilômetros e sabia que iria ficar parado na estrada sem combustível. Confiei em Deus e fui para o ensaio. Para minha surpresa eu fui ao ensaio na sexta-feira a noite e voltei para casa. No sábado pela manhã fui ao culto e também voltei para casa, totalizando 40 quilômetros percorridos. Eu pensava: “Isso é impossí- vel!” Fiquei maravilhado com o cuidado de Deus em me ouvir, entender e prover cuidado. Entendi que ser obediente aos seus mandamentos a seus princípios podemos ir longe com pouco. Lembrei-me da historia da viúva e do milagre do azeite. Pra mim foi o milagre da gasolina! Só conseguia cantar louvando: “Grande é meu Deus, cantarei com Grande é meus Deus e todos vão dizer quão Grande é meu Deus.”
Que a mesma benção e o mesmo cuidado de Deus seja uma fonte sem fim na sua vida. Amém !

Ailton C. Mutafci
Estudou no IASP em 1997. Retornou em 2010 como membro da igreja do IASP. Foi diretor do programa Paradigma por 1 ano e 8 meses e vocalista do grupo de louvor Conexão Jovem. É casado, tem 36 anos e é administrador de banco de dados.

Os comentários estão encerrados.