Comentários da Lição 5 (3º Trim/2016) por Filipe Lima
28/07/2016
Comentários da Lição 6 (3º Trim/2016) por Filipe Lima
02/08/2016

Meditação de Pôr do Sol de 29/07/2016 por José Luis Menegoro

PRESENTE EM FORMA DE BÊNÇÃO


Eu lhes digo que, da mesma forma, haverá mais alegria no céu por um pecador que se arrepende do que por noventa e nove justos que não precisam arrepender-se.
Lucas 15:7 

 

Trabalhei como professor de Educação Física em nossos colégios desde minha primeira formação, em 1989. Por 11 anos, fui muito abençoado junto à minha família. Por todo esse tempo pude fazer muito por nossos jovens e crianças, pois, além das aulas, eu me familiarizei com a música e acabei regendo corais.

Entretanto, quem abraça a causa da educação sempre vive desafios. Quando não dava mais aulas em nossos colégios, prestei um concurso para professor na Prefeitura de Hortolândia. Passei em segundo lugar e logo fui chamado a trabalhar numa realidade até então desconhecida por mim. Todavia, diante da necessidade, não havia outra escolha. Mangas arregaçadas, trabalho árduo, público com necessidades e carências. Assim, coloquei Deus à frente, e o amor por essas pessoas foi aflorando, da mesma forma que a sensação de como eu poderia ser a diferença na vida delas, tanto de crianças quanto de colegas de trabalho.

Comecei a perceber que o Senhor não me tirara de um lugar e me colocara em outro somente para ser um professor.
Vi que podia fazer algo mais para que essas pessoas O conhecessem. Dava aulas em três escolas diferentes.

Cursando Pedagogia no IASP (concluí em 2004), após três anos, fui chamado para ser coordenador de área em um centro de formação no qual permaneci por dois anos. Foi então que uma nova perspectiva se abriu: em uma avaliação seletiva fui classificado para ser diretor de escola, no ano de 2005. Nesse momento, pensei: “O que Deus quer de mim?” Lá fomos nós, e as coisas foram acontecendo.

Hoje temos o hábito de, em todas as reuniões com professores, pais e alunos, ler a meditação diária, além de orar com eles. Estabelecemos também a semana do amigo secreto de oração, que se encerra com a troca de um chocolate ou de uma lembrancinha entre os participantes. Os programas realizados na escola são apresentações que os colégios adventistas já realizaram, mas que se encaixam em nosso contexto e atendem ao objetivo de demonstrar a nossas crianças a existência de um Deus criador. Dessa maneira, visamos alcançar também os seus pais.

Contudo, a frase do início sempre voltava: Deus não me colocou aqui só par ser diretor, eu sinto que preciso fazer algo mais. Tenho o hábito de presentear os professores e funcionários com nossos livros de esperança; então, comecei a pedir um presente para Deus: “Senhor, que eu tenha a alegria de ver um aluno, professor ou funcionário deste lugar onde já estou há 10 anos se entregar a Ti”.

Num começo de ano, em uma das meditações que realizei com o grupo de professores, decidi falar sobre a ilustração do vaso e o oleiro. Na ocasião, deixei que um vaso de barro caísse ao chão para mostrar qual é nossa condição de vida. Sem eu saber, o Espírito de Deus estava trabalhando na vida de alguém que eu nem imaginava.

Após alguns dias, uma excelente professora entrou em minha sala e, com simplicidade, disse que a meditação havia tocado sua vida e que desejava conhecer mais sobre Deus. A professora Marlene era mãe de Giovani, de oito anos, que era aluno do Iaspinho e membro do clube de aventureiros. Ela havia frequentado outras denominações, mas não havia encontrado a paz que vem de Deus. Assim, Marlene aceitou estudar a Bíblia, domingo após domingo, com um grupo reunido na sala de jovens: ela, seu filho, o pastor Lucas, eu e, por vezes, a mãe dela.

Com o tempo, ela se sentia à vontade para frequentar a classe da Escola Sabatina do pastor Moisés Sanches. Nesse ínterim, Deus foi Se mostrando cada vez mais presente na vida dela. No fim dos estudos, a professora estava segura de que queria o batismo. O presente estava chegando, Deus atendeu o meu pedido! Antes da cerimônia, num dia normal de aulas, eu me aproximei perguntando se ela estava convicta daquilo que queria, e sua resposta foi: “Eu não tenho dúvida alguma, estou segura.” Ela ainda passou por uma provação muito grande com a perda de seu pai durante esse processo, mas permaneceu firme no Senhor.

Quando Deus dá um presente, Ele o faz de modo generoso. Marcamos uma visita com o pastor Gilson Grüdtner na casa da professora. Eu, minha esposa e o pastor a visitamos num sábado à tarde. Após o preenchimento da ficha, Marlene nos disse:

– O Giovani quer fazer um pedido a vocês.

– Fale Giovani, está feliz por que a mamãe que vai se batizar? – disse o pastor Gilson.

– Sim, mas eu também quero me batizar com ela. – Respondeu ele.

Naquele momento, não contive minhas lágrimas. Quando preenchemos a ficha de batismo dele, vimos quão seguro ele estava de sua decisão. Numa bela manhã de sábado, mãe e filhos estavam no tanque batismal entregando sua vida a Jesus. Eu não queria perder por nada aquele momento. Fiz uma surpresa a eles e entrei no tanque, a fim de presenciar de perto esse momento especial. Deus atende nossos pedidos e nos presenteia com pessoas para Seu Reino!

Desde então, Marlene e seu filho Giovani permanecem firmes servindo a Deus na igreja do IASP. Ele atua como diácono mirim e ela ajuda nos aventureiros e nas ações jovens. Hoje eles aguardam a vinda de Jesus com grande esperança!

Onde quer que você esteja, acredite, Deus não o colocou ali só para exercer sua função. Ele espera algo mais de você. Seja uma boa influência na vida de alguém. Feliz Sábado!


José Luis Menegoro
Diretor de Escola Pública Municipal e membro da Igreja do IASP.

Os comentários estão encerrados.